Publicidade

Canaã dos Carajás começa a investir em outras matrizes econômicas com destaque para a agricultura

O secretário de Desenvolvimento e Produção Rural, Léo Ferreira, e o vice-prefeito de Canaã dos Carajás (PA), Alexandre Pereira, durante a abertura do Encontro de Desenvolvimento Rural do município

De olho no futuro, o município de Canaã dos Carajás, que nasceu a partir da criação de um assentamento agrícola no sudeste do Estado do Pará em 1982, quer criar novas matrizes econômicas e não ficar dependendo só do minério. A meta é fortalecer a agricultura do município. Para isso, a Secretaria de Desenvolvimento e Produção Rural está promovendo o IV Encontro de Desenvolvimento Rural de Canaã dos Carajás, dentro da programação da 6ª Expocanaã 2019, que foi aberta na noite de quinta-feira (13) e prossegue até este domingo, dia 16 de junho, no Parque Florentino Guirelle, localizado às margens da PA 160, a 5km da cidade.

O encontro conta com a participação de produtores rurais da região, estudantes e professores do ensino médio e universitário da Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (Unifesspa) e Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA), secretários municipais, renomados palestrantes e autoridades do município. “Todos estão aqui para ensinar e aprender com treinamentos e capacitações que visam incentivar a prática agrícola e aprimorar as técnicas de manejo no campo. A qualificação é fundamental para melhores resultados em qualquer negócio e no setor agropecuário não é diferente”, afirmou Léo Ferreira, secretário de Desenvolvimento e Produção Rural.


O prefeito do município, Jeová Andrade (MDB), sempre demonstrou a preocupação dele com a criação de outras matrizes econômicas e o discurso foi seguido pelo vice-prefeito Alexandre Pereira, durante a abertura do Encontro de Desenvolvimento Rural, e pelo secretário Léo Ferreira, que destacou a importância da Expocanaã para que o município atinja seus objetivos na área agrícola.

O prefeito de Canaã dos Carajás (PA), Jeová Andrade, durante o Encontro de Desenvolvimento Rural na Expocanaã 2019

 

“A feira movimenta todo a economia do município, cujo foco atualmente é o minério. O investimento da mineradora Vale no município dispersou a produção agrícola. Canaã já foi um grande produtor de grãos na década de 1980. Com a ampliação dos investimentos da Vale, especialmente para a implantação do Projeto S11D, 60% de propriedades rurais do município foram adquiridas pela Vale, e hoje Canaã dos Carajás conta apenas com cerca 40%, ou seja, cerca de 400 produtores rurais, a maioria da agricultura familiar”, disse o secretário de Desenvolvimento e Produção Rural, Léo Ferreira, ressaltando que “o produtor se acomodou aguardando indenização da Vale e alguns casos não aconteceram, porque a mineradora não comprou, evidentemente, todas as propriedades do município e agora precisamos mudar essa realidade”.

Canaã dos Carajás recebe cerca de R$ 22 milhões da Vale todo mês e acaba de receber R$ 69 milhões da chamada compensação financeira, levando em conta que o percentual do royalty pago pela a empresa era 2,5% e passou para 3,5% por cento.

Parauapebas, a 65 km de Canaã dos Carajás, onde fica a entrada de acesso à Mina de Carajás, é considerada a capital do minério. Canaã era distrito de Parauapebas e conquistou a emancipação política em 5 de outubro de 1994, através da lei estadual 5.860, mas só em janeiro de 1997 o município foi formalmente instalado com a posse de seus primeiros representantes eleitos para cargos públicos.

Produtores rurais do sudeste do Pará participam do IV Encontro de Desenvolvimento Rural de Canaã dos Carajás, que termina neste domingo

 

Sustentabilidade

O vice-prefeito de Canaã dos Carajás, Alexandre Pereira, afirmou que a agricultura e a pecuária são fundamentais para a diversificação econômica do município. “Cumprimento a todos que apostam nessa alternativa. Canaã será uma cidade referência e para isso é necessário o investimento na sustentabilidade; o setor rural é peça importante nesse processo. A nossa missão é resgatar a vocação agrícola que Canaã tem, e para isso, as palestras sobre o manejo de pastagem e controle de plantas indesejáveis, produção suína, produção de tomates e sobre a utilização do bambu na construção de estufa estão sendo apresentadas aos participantes do seminário”, disse ele, ressaltando que, “com a união de todos, teremos uma cidade modelo no futuro”.

PROCAMPO

Segundo o secretário de Desenvolvimento e Produção Rural, Léo Ferreira, o governo municipal vem investimento nos últimos anos para fortalecer a agricultura na região, com o objetivo de se destacar no futuro na produção de frutas, incluindo banana, cupu, cacau, açaí, além de investimentos em piscicultura e apicultura e graças ao programa Procampo, que prevê o fomento de adubos, milho e assistência técnica para o produtor com o apoio de técnicos, incluindo engenheiros agrônomos, zootecnistas e veterinários. “Queremos ser referência no cacau. Plantamos 70 mil mudas no ano passado e neste ano plantaremos 150 mil mudas, totalizando 220 mil mudas frutíferas que serão plantadas na zona rural do município”, destacou Léo.

De acordo com o secretário, “a prefeitura tem procurado dar condições para o homem do campo produzir com qualidade e ter alta produção em sua propriedade, oferecendo manejo de pasto, inseminação artificial e melhoramento genético”. Demonstrando bastante otimismo, Léo Ferreira acrescenta: “Estamos trabalhando para Canaã dos Carajás ser auto produtivo e para que seja referência na agrícola aqui no Pará”.

R$ 15 milhões

O presidente do Sindicato dos Produtores Rurais de Canaã dos Carajás, Carlos Mariano, também luta para que o município não fique dependente apenas do minério e defende maiores incentivos para a agropecuária de um modo geral. Atuando com pecuária de corte há muitos anos, Mariano é um batalhador para que a Expocanaã aconteça na cidade e atraia investidores. “Nesta 6ª Expocanaã contamos com 70 estantes dos mais diversos segmentos, incluindo concessionárias de veículos, empresas de insumos e produtos agropecuários e da área de balanças e troncos de contenção. No ano passado, movimentamos dentro da feira e na economia da cidade, incluindo hotéis, bares, restaurantes, aluguel de carros, e empresas prestadoras de serviços, R$ 9 milhões, e para este ano acreditamos que esse número deverá chegar a R$ 15 milhões”, destacou Mariano.

A história de Canaã dos Carajás

Segundo o site oficial da prefeitura de Canaã dos Carajás, o Projeto de Assentamento Carajás, localizado na região sudeste do estado, foi implantado em 1982, pelo Grupo Executivo das Terras do Araguaia e Tocantins (GETAT), do Governo Federal.

O objetivo era atenuar os conflitos pela posse da terra na região, principalmente na área conhecida como Bico do Papagaio, no norte do Estado do Tocantins. Ao longo de três anos, 1.551 famílias foram assentadas na área, que ficou conhecida como Centro de Desenvolvimento Regional (CEDERE).

 

Até 1985, 816 famílias haviam recebido o título definitivo de terra. Porém, naquele mesmo ano, as atividades de assentamento dos sem-terra terminaram e o GETAT foi extinto. Só em outubro de 1994, através da Lei Estadual 5.860, o CEDERE foi desmembrado de Parauapebas e tornou-se município – o de Canaã dos Carajás.

Economia

Na década de 90, Canaã dos Carajás tinha uma formação basicamente agropecuária. Sua economia girava em torno da cultura do arroz, milho, feijão e na cadeia do leite e do gado de corte.

No fim do milênio, com a descoberta de jazidas minerais de cobre, níquel e ferro no município, Canaã dos Carajás começou a receber trabalhadores para implantação de minas e usinas de beneficiamento e processamento do minério. Explorando o cobre, a mina de Sossego foi a primeira a ser construída, com início de suas operações em 2003. Em 2011, iniciou a construção da mina de S11D, que é a maior do mundo em exploração do ferro. O S11D entrou em operação em 2016.

Com a incorporação da atividade de mineração ao município, a população de Canaã, subiu de 10.922 em 2000 para 31.062 em 2013 conforme dados do IBGE. Hoje, a população do município é estimada em cerca de 50 mil habitantes.
De acordo com o site da Vale, “localizado no município de Canaã dos Carajás e inaugurado em 2016, o Projeto S11D é o maior complexo minerador da história da Vale. É um empreendimento que integra produtividade com respeito pelas pessoas e tecnologia com inteligência ambiental. O complexo S11D já recebeu investimentos da Vale no valor de US$ 14,3 bilhões”.

Compartilhe essa notícia

Tags

Veja também

Fechar Menu