Publicidade

Caso de paciente retrata importância do trabalho dos Agentes Comunitários de Saúde

A história da dona de casa Tereza de Jesus Pereira, de 51 anos, retrata a importância do trabalho dos Agentes Comunitários de Saúde (ACS) em Parauapebas. Hipertensa desde jovem, ela não fazia acompanhamento médico e estava acima do peso. Essa realidade foi mudada a partir do incentivo da ACS Flávia Oliveira Gomes.
“A Flávia começou a visitar minha casa e soube dos meus problemas de saúde. Ela insistiu muito para eu fazer acompanhamento médico e se disponibilizou a me ajudar na marcação de consultas e no encaminhamento dos exames. Hoje me sinto bem melhor, perdi 12,5 quilos com o acompanhamento da nutricionista e tomo meus remédios regularmente, graças à insistência dela e ao trabalho de toda a equipe do posto de saúde do Jardim Canadá”, destacou a dona de casa.

De acordo com Flávia Oliveira, o trabalho dos ACSs consiste em realizar visitas domiciliares, fazendo uma ponte entre os usuários e os serviços públicos municipais. Dentre as atividades realizadas, esses profissionais identificam pacientes acamados, crianças, idosos ou com transtornos mentais para dar um suporte maior.
“O meu trabalho é facilitar o acesso ao usuário. Amo o que faço e me sinto realizada em poder ajudar as pessoas”, expõe a profissional, informando que toda a equipe de ACS recebe constante treinamento e capacitação da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa).
Ela informa ainda que uma das principais dificuldades enfrentadas pelos agentes é a falta de conhecimento da sua respectiva atuação por parte da população, assim como a pouca receptividade em algumas residências. “Muita gente ainda não conhece bem o nosso trabalho. Acho que por isso não nos recepcionam bem”, presume Flávia Oliveira.


Agentes comunitários de saúde
Dia 4 de outubro se comemora o Dia Nacional do ACS, que é entendido como principal elo entre a comunidade e a equipe Saúde da Família. Ele surgiu no cenário brasileiro como um instrumento utilizado para reduzir os alarmantes indicadores de mortalidade infantil e a partir daí foi se tornando indispensável para o desenvolvimento de todos os programas da Atenção Primária em Saúde.

No dia 8 de agosto é comemorado em Parauapebas o Dia Municipal do ACS, que já conta com os profissionais atuando na rede há 16 anos. Atualmente, 231 agentes atuam em nove Unidades de Saúde da Família, cinco Centros de Saúde e três Postos de Saúde distribuídos na rede de Atenção Básica das zonas urbana e rural.
Além das capacitações promovidas pela Semsa, cada unidade de saúde promove para os ACSs, no mínimo, duas atividades de educação permanente por mês. Outro papel importante desenvolvido por esse profissional é a alimentação do Sistema de Informação (Siab), que possibilita ao Ministério da Saúde tomar decisões de gestão da Atenção Básica em nível nacional, por meio das informações coletadas.

As informações do sistema também integram a estratégia de Saúde da Família em nível municipal, pois contém os dados mínimos para o diagnóstico de saúde da comunidade, das intervenções realizadas pela equipe e os resultados socio-sanitários alcançados.
A partir dessas informações, é possível traçar estratégias, definir metas e identificar intervenções que se fizerem necessárias na atenção da população das suas respectivas áreas de cobertura, bem como avaliar o resultado do trabalho desenvolvido pelas equipes.

Reportagem: Karine Gomes
Foto: Anderson Sousa

Compartilhe essa notícia

Tags

Veja também

Fechar Menu