Publicidade

Justiça manda fazer reintegração de posse no Bairro Cidade Jardim

Não se trata de um caso novo, já tendo sido alvo de protestos e até de ações na justiça que, através do Ministério Público, estabeleceram um TAC a ser cumprido pela loteadora, a empresa Buriti Empreendimentos Imobiliários, devendo esta fazer o abatimento de 40% do valor cobrado pela venda dos terrenos, o que significaria a dispensa de 52 parcelas para os clientes da 1ª à 11ª etapa.

No entanto, as reclamações continuam por parte de clientes, que, sob diversas alegações, pararam de pagar as parcelas, tornando-se um acumulado de dívida sem condições de negociações.

Saraiva publicidade

Assim é o caso do morador Lélio de Sousa Costa, morador na casa que sofreu reintegração de posse na manhã desta terça-feira (11). O terreno, situado na Rua D9, Quadra 97, Lote 13, foi, por força judicial, devolvido à loteadora Buriti, além de diversos outros em situação semelhante.

Lélio Costa reconhece que o pagamento das parcelas está atrasado há cerca de três anos. Porém, conta que procurou negociar com a loteadora, mas teve sua proposta recusada. “Meu contrato com a Buriti é de R$ 33 mil, dos quais já paguei, pelo menos, R$ 30 mil. Mas, de acordo com os valores constantes nos dados da empresa com os juros, minha dívida passa de R$ 50 mil”, lamenta, dando conta ainda que a loteadora lhe pediu R$ 7 mil para que pudesse continuar morando aqui, mas disseram que o valor seria apenas para custas de processos e não seria abatido em seu débito.

 

A equipe de reportagens do Pebinha de Açúcar acompanhou a ação da Justiça com reforço policial do Grupo Tático Operacional. Como não houve resistência do morador nem de populares, tudo transcorreu com tranquilidade e a família foi abrigada em uma casa cedida por vizinhos. No entanto, a loteadora, nestes casos, oferece abrigo provisório. A empresa ainda não se manifestou a respeito do caso.

Já em outra reintegração de posse, ocorrida na tarde de ontem (11), populares ficaram revoltados pelo fato do morador não estar em casa no momento em que oficial de justiça e policiais foram ao local para cumprir ordem da Justiça. O vereador Rafael Ribeiro (MDB) esteve por lá e houve um principio de confusão. Na oportunidade, o parlamentar disse que irá acionar os seus colegas de parlamento para que uma comissão seja formada, “afinal, nosso povo está sendo penalizado”, relatou Rafael Ribeiro, enfatizando que respeita todas as leis, porém, existem coisas que precisam ser conversadas e que decisões sejam feitas de forma coletiva.

Reportagem: Francesco Costa / Fotos: Douglas Camargo

Compartilhe essa notícia

Tags

Veja também

Fechar Menu