Publicidade

Mãe e padrasto de menina assassinada em São Domingos são presos

A Superintendência de Polícia Civil de Marabá, cumpriu o mandado de prisão temporária expedida pelo Juiz da Comarca de São Domingos do Araguaia, em desfavor da mãe e do padrasto de Maria Eduarda Lourenço, de 10 anos. Ela desapareceu no dia 21 de novembro de 2015, e foi encontrada com o corpo parcialmente carbonizado, com queimaduras de até quarto grau, 2 dias depois, num matagal próximo ao loteamento Alto Boa Vista, em São Domingos do Araguaia, município localizado a 50 quilômetros de Marabá, sudeste do estado.

Segundo o superintendente da Polícia Civil em Marabá, delegado Marcelo Delgado, as prisões têm como objetivo de auxiliar as investigações. Ainda de acordo com o policial civil, a liberdade do casal estaria prejudicando as investigações e era preciso prender a mãe e o padrasto da menina para a elucidação do caso.


Assim que Maria Eduarda desapareceu, toda a população da cidade se mobilizou para encontrar a criança. Durante 2 dias cartazes foram espalhados por todos os lados e equipes se dividiram em busca da menina, em córregos e matagais. A população também fez manifestações e fechou um trecho da rodovia BR-153, pedindo que o caso fosse solucionado.

Uma das informações investigadas pela polícia, diz o delegado, é o trajeto que a criança teria seguido para ir da casa da mãe dela, que fica no bairro Braga até a padaria, no mesmo bairro. A distãncia é de aproximadamente 200 metros, sendo que nenhuma pessoa teria visto a garota naquela manhã.

Os funcionários da padaria também disseram que a vítima não foi ao estabelecimento para comprar pão e leite naquele dia. Para o delegado Marcelo Delgado a prisão “representa um passo importante na investigação, uma vez que se, eventualmente, houver mais testemunhas que possam trazer novas informações a respeito do caso, poderão fazê-lo sem medo”.

Reportagem: DOL

Compartilhe essa notícia

Tags

Veja também

Fechar Menu