Publicidade

Novo pátio do DETRAN recebeu 300 veículos em seu primeiro mês de funcionamento

Era o Agente Max quem comandava a blitz realizada na manhã de hoje (9) na divisa dos bairros Da Paz e Rio Verde, onde as ruas Marabá e Rio de Janeiro se fundem. Ele conversou com nossa equipe de reportagens e explicou a frequência das operações, todas realizadas com a Polícia Militar. “As irregularidades tanto em veículos quanto em condutores é grande e precisamos coibi-las”, afirma Max, detalhando que as infrações mais constantes são documentação atrasada, condutor não habilitado, condutor sem o uso de capacete em moto ou sem cinto de segurança em carros, condutor usando calçado inadequado (sandália sem rabicho) e condutor sem os documentos de porte obrigatório.

Max explica ainda que o objetivo das blitze é dar mais segurança para os cidadãos de bem e não atrapalhar o funcionamento do trânsito. Ele conta ainda que alguns condutores tentam fugir das operações, provocando a perseguição com viaturas o que, segundo ele, põe em risco a vida tanto do perseguido, quanto de outros condutores e pedestres. “É melhor se apresentar na blitz e resolver a situação, pois e for apenas a questão de documentos o veículo será recolhido e depois liberado com pagamento das pendências”, explica o agente dando conta de que o DETRAN já conta com pátio exclusivo para veículos apreendidos por esta autarquia com capacidade para pelo menos 3 mil veículos.


De acordo com dados do DETRAN, o novo pátio de Parauapebas já recebeu, em seu primeiro mês de funcionamento, cerca de 300 veículos entre carros, motos e caminhões. “Nossas ações são vistas de bons olhos pelos que andam de forma regular e ordeira, pois só tiramos de circulação os que assim não procedem”, resume Max.

 

A Polícia Militar sempre está presente nas operações de trânsito e nesta blitz de hoje estava sob o comando do Tenente Nunes, que também falou com nossa equipe. Ele afirmou que além de dar apoio aos agentes do DETRAN, que averiguam a parte de legalidade dos veículos e condutores, a polícia trabalha para coibir o tráfico de drogas e a posse ilegal de armas. “Há também aqui alto índice de motocicletas roubadas e estamos sempre atento a isso, além de algumas pessoas que tentam furar o bloqueio ou fugir dele. Com a recaptura dos fujões são averiguados o motivo e se necessário são apresentados à polícia civil para os procedimentos necessários”, explica Nunes, recomendando que essa não é a melhor opção, pois quando há perseguição a polícia sempre espera o pior e nunca que seja apenas por um motivo simples.

Reportagem: Francesco Costa / Da Redação do Portal Pebinha de Açúcar

Compartilhe essa notícia

Tags

Veja também

Fechar Menu