Publicidade

Parauapebas 25 anos: O caminho seguido para conquistar a emancipação

Dentre elas, destruíram inclusive a estação de tratamento de água, o prédio da administração e outras edificações públicas, só deixando ilesos, e a muito custo, o hospital e a escola. De acordo com moradores da época, a vila ficou desolada.

Além da destruição deixada pela revolta dos garimpeiros, Parauapebas não estava recebendo o percentual de 10% dos impostos recolhidos pela Serra dos Carajás à Prefeitura de Marabá, que teriam que retornar a localidade, em obras ou em recursos, mês a mês. Tudo isso fez com que a população padecesse com carência de tudo.

Saraiva publicidade

Plebiscito
Depois de inúmeras e tensas reuniões e após constatação de que se dependesse desses recursos a recuperação dos prédios em Parauapebas jamais ocorreria, foi iniciada uma campanha para separar o lugarejo do município de Marabá.

Iniciado em 1985, o movimento separatista tomou corpo em 1986, quando foi firmado um acordo com o candidato a deputado estadual Carlos Cavalcante, selando uma troca de favores: Parauapebas votaria em massa no candidato e este, uma vez eleito, assumiria a causa da emancipação de Parauapebas.

E assim aconteceu. Toda a documentação necessária à instrução do processo foi providenciada e Chico Brito pessoalmente entregou-a em mãos do deputado, em sua residência, em Conceição do Araguaia, às vésperas de sua posse. O novo deputado deu entrada no Requerimento nº 008/87, na primeira hora de seu mandato, cumprindo o combinado.

Seguiu-se o processo até o momento em que a Câmara de Marabá teria que votar pelo seu prosseguimento ou pelo arquivamento. Marabá comunicou que, definitivamente, não aceitaria a emancipação, e votaria pelo arquivamento do processo, que tramitava na Assembleia Legislativa do Pará, enterrando temporariamente os sonhos de independência do futuro município.

Para evitar essa derrota, os integrantes do movimento separatista criaram uma estratégia durante as prévias das eleições de 88 em Marabá, montaram uma chapa com um candidato a prefeito residente em Parauapebas e um vice de Curionópolis. Na época, Marabá apresentaria 6 candidatos à prefeitura e o colégio eleitoral da cidade, fora Parauapebas e Curionópolis, era de 47 mil eleitores, praticamente a mesma quantidade que as duas localidades alegavam ter.

Na pressão, a Câmara de Marabá convocou imediatamente uma sessão extraordinária e aprovou o prosseguimento do processo de emancipação por unanimidade. Mais tarde, foi observado que por ser uma área de intensa migração, dos quase 47 mil eleitores de Parauapebas e Curionópolis, que constavam nos arquivos do Cartório Eleitoral, nem a metade residia mais na região.

Superados todos os percalços, a Assembleia Legislativa marcou o dia 24 de abril daquele ano, 1988, para a votação do plebiscito, quando a população diria se desejava se separar ou não do município-mãe, com 99% de aprovação.

Eleições municipais
Em 10 de maio de 1988, o então governador Hélio da Mota Gueiros, sancionou a lei estadual nº 5.443/88, que criou o município de Parauapebas. Em outubro do mesmo ano, Faisal Salmen foi eleito o primeiro prefeito do município (gestão 1989/1992), depois Francisco Alves de Souza, “Chico das Cortinas” (1993/1996), em seguida, Bel Mesquita por dois mandatos (1997/2004), Darci Lermen, também por dois mandatos (2005/2012) e, por último, o atual prefeito Valmir Mariano, para um mandato que inicia neste ano e vai até 2016.

Compartilhe essa notícia

Tags

Veja também

Fechar Menu