Publicidade
Parauapebas

Parauapebas bate recorde de produção de ferro, afirma titular da Semmect

A mineradora Vale extraiu de Parauapebas, ao longo de 2016, um total de 141,2 milhões de toneladas do melhor minério de ferro do mundo, de acordo com o Secretário Flávio Veras, titular da Secretaria Municipal de Mineração, Energia, Ciência e Tecnologia (Semmect). A informação é exclusiva e muito diz respeito à dinâmica socioeconômica do município, cuja base econômica é a indústria extrativa mineral. O dado primário é do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) e foi disponibilizado na noite de terça-feira (3).

A partir de agora, sempre que o MDIC finalizar a balança comercial mensal, o secretário Flávio Veras, por determinação do Prefeito de Parauapebas Darci José Lermen (PMDB), irá divulgar os números do município. Por meio da Semmect, o Governo Municipal pretende compartilhar com a comunidade local as informações sobre mineração de maneira transparente, o que faz parte do plano de trabalho da equipe que está sendo elaborado e será apresentado em breve.

Para ajudar na divulgação e interpretação dos dados, o Flávio Veras vai contar com o auxílio do jornalista e engenheiro de minas André Santos, mestre em dinâmicas territoriais e que tem diversos trabalhos científicos publicados, inclusive publicações internacionais.

PRODUÇÃO RECORDE

De acordo com o titular da Secretaria de Mineração, a Vale produziu em Parauapebas uma quantidade surpreendente de minério de ferro, que bateu em praticamente 15 milhões de toneladas a produção total de 2015 — ano em que, segundo o Relatório de Produção da empresa apresentado em fevereiro, foram lavrados 127 milhões de toneladas. Na contabilidade do Ministério, a produção aumentou cerca de 20 milhões de toneladas, já que o MDIC utiliza base de cálculo diferente da mineradora para computar os carregamentos de minério.

Em termos percentuais, a Vale aumentou o avanço da lavra em mais de 15% em apenas um ano. E, de maneira global, saiu de Parauapebas o correspondente a 72,5% de todo o minério de ferro que o estado inteiro de Minas Gerais produziu.

Ainda segundo Flávio Veras, o valor financeiro das exportações de minério de ferro a partir de Parauapebas passou de 3,92 bilhões de dólares em 2015 para 4,65 bilhões de dólares em 2016. Por aqui, a Vale possui três minas de ferro em operação: N4W, N4E e N5.

Sobre o manganês, o titular da Semmect informou que a produção física passou de 1,1 milhão de toneladas em 2015 para 1,2 milhão de toneladas em 2016. Em moeda, o valor do manganês que saiu da mina do Azul aumentou de 87 milhões de dólares para 115 milhões de dólares. No total, a mineração responde por 72,5% da economia de Parauapebas e sua ocorrência gera divisas para a prefeitura.

“Vamos estar atentos aos números da Vale, a seus relatórios, e trabalhar estratégias inspiradas em diversas visões, sempre nos espelhando nas cidades mineradoras que deram certo e tentando nos preparar para a maturidade e a independência econômica”, explica Flávio Veras. “Estamos montando um plano de trabalho para a Secretaria, um modelo pioneiro que tenha a identidade de Parauapebas, acompanhando de perto e com vivo interesse os rumos de sua principal atividade econômica”, completa ele, chamando atenção para o fato de que quer a sociedade local envolvida nesse debate, já que diz respeito ao futuro do município.

Flávio Veras – Secretário de Mineração

ARRUMANDO A CASA

Veras conta com o total apoio do prefeito Darci Lermen, que lhe deu a liberdade necessária para que o titular da Semmect monte sua equipe e estruture um plano de trabalho que valorize e resgate a importância da pasta.

Em recente entrevista a um veículo de comunicação local, Darci frisou que é preciso pensar e, principalmente, implementar estratégias que desprendam Parauapebas da mineração, já que o município possui potencial inestimável em outras áreas e com a exploração racional e sustentável de outros recursos naturais.

Segundo o adjunto da Semmect, será dada à Mineração, como secretaria, a mesma importância que o setor tem para a economia local. Ele observa que Parauapebas possui recursos minerais abundantes, mas que estes são finitos e que, além disso, são negociados no exterior, enquanto o município tem assistido a tudo, incólume. E ele tem razão.

Com o anúncio da produção realizado hoje pelo MDIC, a reserva de minério de ferro medida e provada de Parauapebas cai para 2,4 bilhões de toneladas — segundo a Vale apresentou este ano, era de 2,54 bilhões de toneladas nas jazidas existentes na Serra Norte de Carajás. A empresa vai divulgar oficialmente seu Relatório de Produção referente a 2016 no mês que vem.

Hoje, o principal produto da pauta de exportações de Parauapebas, o minério de ferro, fechou com preço de 78,93 dólares a tonelada no porto chinês de Qingdao, na China. Ainda assim, o minério daqui possui um bônus de 10 dólares, pela excelência e qualidade, sobre o minério de outros lugares.

Publicidade

Pebinha de Açúcar Comunicação & Marketing LTDA-ME
CNPJ: 05.200.883.0001-05 Parauapebas-Pará-Brasil
(94) 3356-0260 | (94) 981342558

Todos os direitos reservados © 2017 Pebinha de Açúcar Comunicação & Marketing Ltda-ME
Desenvolvimento Web: Agência Maktub

To Top
error: Reprodução proibida!