Publicidade

Preço da gasolina começa baixar em Parauapebas

O que parecia fora de cogitação começa a acontecer em alguns postos de combustíveis de Parauapebas: a baixa no preço da gasolina, principal combustível usado pelos veículos que circulam pelas ruas da cidade.

As sucessivas baixas anunciadas pareciam ter errado o caminho, pois não chegavam para o consumidor final, o que acarretava prejuízo a quem não pode dispensar o carro no seu dia a dia.


O caso, que foge até mesmo da responsabilidade do Procon, segundo a coordenadora do órgão de Parauapebas, por não tratar de relação de consumo, era motivo de discussões em redes sociais e rodas de conversas, após receber a notícia de que o produto estava saindo a preços bem mais baixos da refinaria.

Evelyn Moutinho, coordenadora do PROCON

 

“Da refinaria até o consumidor final ainda tem o intermediário, que é o distribuidor que adiciona sua margem de lucro e os aditivos acrescentados, fazendo com que o produto, ao chegar nos postos, tenha outra margem de lucro na base de cálculo, e isto faz com que chegue ao consumidor com valor um tanto mais elevado”, calculou Evelyn Moutinho, coordenadora do Procon, órgão de defesa do consumidor, alertando que nem sempre o produto passado ao distribuidor pela refinaria chega ao comerciante final, que são os donos de postos.

Mas, pelo visto chegou, pelo menos parcialmente, a baixa esperada na gasolina, podendo ser encontrada em alguns postos a menos de R$ 5,00, tendo como tendência a continuar baixando.

“Fiz minha parte, procurando sempre abastecer nos postos que, mesmo pouco, vendiam gasolina mais barata”, declarou Aloísio Cavalcante, mototaxista, dizendo acreditar que isso influencia os donos de postos de combustíveis a baixar o preço do produto.

E parece ser verdade, pois vários postos estão baixando o preço da gasolina, que já esteve até R$ 5,25 e agora está sendo encontrada por R$ 4,98. A partir de R$ 50,00, alguns estabelecimentos estão baixando para R$ 4,91 o litro.

 

O diesel também foi contemplado com redução no preço, sendo comercializado nos postos em Parauapebas por R$ 4,09. Com uma fina pesquisa, é possível encontrar por preços mais baixos.

“A manifestação do consumidor sempre influencia as práticas comerciais. Por isso, é indispensável que o faça em redes sociais, na escolha do estabelecimento que adquire o produto ou denunciando no Procon”, orienta Evelyn Moutinho.

Compartilhe essa notícia

Tags

Veja também

Fechar Menu