Publicidade

Prefeitura anuncia mudanças na saúde, entre elas, está a troca de local da UPA do Cidade Jardim

“Cometemos erros. Isso é natural. Aprendemos com eles. E agora vamos corrigir”, afirmou Darci Lermen, prefeito de Parauapebas, contando que uma nova forma de gestão para o Hospital Geral de Parauapebas (HGP) está sendo discutida, o que deverá ser, em primeiro momento, a pejotização, e, em um segundo momento, a terceirização através de Organização Social (OS).

Um exemplo de pejotização já é executada no setor de hemodiálise, além dos anestesistas do HGP, o que deverá ser ampliado para os demais setores a partir de janeiro de 2019.

Saraiva publicidade

O principal motivo da pejotização, segundo Darci, é, principalmente com o objetivo de reduzir custos que são hoje muito altos; valor puxado pelo atendimento à população de municípios vizinhos. As cirurgias eletivas têm, conforme detalhou o prefeito, um grande represamento, gerado pela insuficiência do sistema, o número já passa de três mil. A saída para o problema, conforme planos de Darci, é fazer uma licitação até o mês de março de 2019 para terceirizar estas cirurgias. “Todas serão feitas em hospitais particulares de Parauapebas, por isso, quem estiver apto e quiser participar é só aderir ao edital”, detalhou Darci.

O prefeito mensura que o custo com o HGP gira em torno de R$ 10 milhões por mês; em cujo valores não incluem as demais estruturas da saúde no município, como postos de saúde, Unidades Básicas de Saúde, equipes de unidade domiciliar, Policlínica, UPA, etc. Porém, ele garante que já tem uma conversa avançada com o próximo Governador do Estado, Helder Barbalho, para que ajude a manter o HGP, cumprindo assim a função do Estado em manter a média e alta complexidade, hoje, mantida com verbas do município. “Queremos que o Estado entre com, pelo menos, metade destes custos, já que cerca de 40% do atendimento é feito para pacientes de outros municípios. Assim poderemos usar nossos recursos, principalmente, no reforço da educação básica onde entendo que devemos mais atuar e tivemos dificuldades nos últimos dois anos exatamente pela necessidade de concentrar recursos no HGP”, conta Darci, dizendo que com o investimento na Atenção Básica de Saúde, muitas demandas nem chegarão ao HGP.

Outra proposta de melhorias em atendimento, redução de gastos e melhor acesso, é a mudança de endereço da UPA que fica localizada no Bairro Cidade Jardim e na estrutura da Policlínica, no Jardim Canadá. O motivo da mudança de endereço da UPA, de acordo com a Secretaria Municipal de Saúde (SEMSA), é o fato de que as pessoas, por causa das dificuldades no acesso, têm preferido procurar o HGP, o que tem causado grandes congestionamentos e demoras nos atendimentos.

O plano é construir mais 30 leitos anexos à Policlínica, que funcionará como UPA e Pronto Socorro.
As mudanças poderão ser o prenúncio do fechamento do Pronto Socorro, hoje, existente no Hospital Municipal de Parauapebas, no Bairro Cidade Nova; fato que se consumará de acordo com a absorção da demanda na nova estrutura que deverá ser implantada anexa à Policlínica.

Outras mudanças que deverão acontecer e promover melhorias no sistema de saúde, serão as respectivas construções de Postos de Saúde nos bairros Rio Verde e Cidade Jardim, além do Complexo de Bairros da VS 10; além das reformas e equipagem de todas as unidades de saúdes, serviço que deverá ser concluído até o final de agosto de 2019. “A coleta de material para exames laboratoriais voltará a ser nos Postos de Saúde, outro ato que desafogará o HGP”, prevê Darci Lermen.

Compartilhe essa notícia

Tags

Veja também

Fechar Menu