Publicidade

Prefeitura de Marabá e Vale firmam acordo para obras de adequação do aterro sanitário

A situação do aterro controlado de Marabá está sendo finalmente melhorada. O prefeito João Salame, acompanhado pelo secretário de Serviços Urbanos, Leodato Marques, reuniu-se com executivos da Vale para anunciar uma parceria que deve beneficiar cidade. Ontem (11), durante visita ao aterro, Leodato mostrou as futuras instalações da nova célula de alocação de lixo, além da área reservada para a colocação de um viveiro de mudas, que terá uma plantação cuidadosamente controlada através de estufas.

A destinação correta do lixo em Marabá é um dos temas que mais preocupam a nova gestão, uma vez que o tempo de vida útil do atual aterro é de apenas mais seis anos. Com a construção de uma nova célula para acomodação do lixo, o aterro poderá funcionar por mais seis anos. Para isso já foi assinada a licença ambiental concedida pela Prefeitura à empresa Vale, que vai investir 4,5 milhões nessa obra.


Leodato comemorou a decisão
– Atualmente, o aterro que temos aqui é um modelo para todo o estado, mas ainda não é um aterro sanitário e sim, um aterro controlado. É necessária a criação de um sistema que trate o chorume decorrente do acumulo de lixo,

Sobre a questão da rápida lotação das células, João Salame pensa em soluções para esse problema.
– Estamos trabalhando para que até o fim do ano seja estabelecida e cobrada uma taxa de empresas e instituições que produzirem mais detritos que a média. Há também a possibilidade da criação de um aterro particular, em um local adequado e de acordo com as regras governamentais, punindo severamente os crimes ambientais.

Compartilhe essa notícia

Tags

Veja também

Fechar Menu