Publicidade

PT e PMDB estarão juntos já no primeiro turno

O Partido dos Trabalhadores (PT) e o Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB) do Pará formarão palanque único desde o primeiro turno das eleições deste ano.
A decisão do PT foi tomada durante encontro estadual realizado no último sábado. O dia para os petistas foi de intenso debate. Duas teses foram analisadas: a aliança ampla desde o primeiro turno com o partido apoiando o futuro candidato peemedebista Helder Barbalho ao governo e o lançamento de candidatura própria, deixando a aliança apenas para um eventual segundo turno.

Por 249 votos a 100, venceu a tese de que o PT se unirá ao PMDB desde o início do processo. Juntas, as duas legendas buscarão novos apoios para tentar formar uma ampla frente de oposição aos tucanos no Estado.

Saraiva publicidade

Pelo resultado da votação interna do PT, a coligação lançará o nome de Paulo Rocha ao Senado. O candidato a vice-governador deverá ser buscado entre as outras frentes que serão chamadas para apoiar o grupo.

PROCESSO
O encontro estadual do PT foi o ponto final do Processo de Eleições Diretas, iniciado no segundo semestre do ano passado, quando os militantes foram às urnas escolher os dirigentes nacionais, estaduais e municipais, além dos delegados que definiriam a tática eleitoral.

A vitória, no ano passado, das tendências mais ligadas ao ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva – um entusiasta da aliança desde o primeiro turno – apontava que a tese de aliança com o PMDB antes do segundo turno venceria por ampla maioria, o que acabou ocorrendo.

“O PT está cumprindo a estratégia nacional que tem o objetivo de reeleger a presidente Dilma Rousseff e buscar uma coalizão que garanta ampliar as bancadas na Câmara e no Senado”, disse o ex-deputado federal Paulo Rocha. “O processo de debate foi intenso durante um ano. A posição majoritária venceu democraticamente. No PT é assim”. Para ele, o próximo passo é buscar novos apoios e “conquistar os votos dos paraenses”.

Pré-candidato ao governo no bloco PT-PMDB, o ex-prefeito de Ananindeua Helder Barbalho disse achar legítimo o debate interno do PT. “Um partido com trajetória e tamanho do PT tem todo direito de debater a possibilidade de uma candidatura própria. Nunca enxergamos nesse debate qualquer recusa ou restrição a uma aliança”, disse Helder, para quem, passada a votação interna da legenda, é hora de buscar apoios.

“Cabe agora aos dois partidos, juntos com os demais que virão, dialogar para que haja unidade e convencimento dos que pensam diferente. É importante que esta aliança não se trate apenas de tática eleitoral, mas da elaboração de propostas, projetos que possam representar algo novo para o Pará, ajudando a superar hoje os terríveis índices que nos colocam em situação questionável em diversas áreas. Devemos continuar ouvindo a população, unindo ideias e experiências para construir um projeto com bases sólidas”, disse o Helder.

PCdo B decide apoiar aliança
O Partido Comunista do Brasil (PCdoB)deve anunciar, em comunicado oficial, no decorrer desta semana que, além de chapa própria ao parlamento estadual com, no mínimo, 61 candidatos, e candidatura à Câmara Federal do presidente da sigla, Jorge Panzera, nas eleições gerais de 2014, irá apoiar a aliança do PT com o PMDB tanto para a reeleição da presidente Dilma Rousseff, quanto para a candidatura de Helder Barbalho (PMDB) ao Governo do Estado e Paulo Rocha (PT) ao Senado.

As definições foram feitas durante o encontro estadual do PC do B, realizado durante o fim de semana no Hotel Sagres.

Panzera explica que esse é o resultado de uma série de debates com as diretorias municipais realizadas desde o ano passado e da crença de que o Pará precisa de um “governo efetivo”. “Tudo se deu de forma muito normal e com muito diálogo. Acredito que essa eleição terá um significado importante para o Estado à medida em que se trabalha pela construção coletiva de um projeto que seja mais sintonizado com o Brasil. Que tenha uma proposta de desenvolvimento econômico mais voltado ao potencial do Estado e não somente à exportação de suas riquezas. Com um governo que realmente governe, efetivo, que tenha um olhar voltado às políticas públicas efetivas para saúde, segurança”, declarou, após o encerramento do encontro. “Nosso próximo passo é justamente trabalhar por essa construção conjunta com os partidos que estão apoiando a reeleição da presidente Dilma expondo justamente os ideias que nos movimentam, para que em julho, quando a campanha eleitoral começar de fato, nós possamos levar esse debate à população do Estado”.

Reportagem: DOL

Compartilhe essa notícia

Tags

Veja também

Fechar Menu