Banner Educar


Recurso dá título de campeã à quadrilha ‘Jovens do Cangaço’ no Festival Jeca Tatu 2018

Recurso dá título de campeã à quadrilha ‘Jovens do Cangaço’ no Festival Jeca Tatu 2018

“Percebe-se que a Liajup (Liga das Agremiações Juninas de Parauapebas) fez valer o regulamento”, comemora Paulo Morais, presidente da Agremiação Junina Jovens do Cangaço, premiada como primeira colocada no segmento Caipira, no Festival Jeca Tatu 2018.

O ocorrido se deu devido ao empate das agremiações Jovens do Cangaço e Rabo de Palha, que tiraram nota máxima em todos os quesitos e empataram com 120 pontos cada. Mas, de acordo com o regulamento, as duas poderiam dividir lugar no “pódio” e receber o troféu de vencedoras pelo empate.

Como não houve consenso, as agremiações preferiram se enfrentar em “segundo julgamento”, desta vez feita pela Liajup, que recebeu recurso imposto por ambas. A Rabo de Palha acusou a Jovens do Cangaço de ter em sua equipe alguns membros não cadastrados junto à liga. Já a Jovens do Cangaço alegou que a Rabo de Palha não apresentou relatórios de palestra obrigatória em tempo hábil.

A Liajup julgou os recursos e não achou embasamento nas alegações da Rabo de Palha, mantendo a Jovens do Cangaço com os 120 pontos, portanto em 1º lugar.
Com o recurso acatado contra a Rabo de Palha, a agremiação perdeu 1 ponto, vindo a ficar com apenas 119 pontos.

Assim, a lista de vencedores sofreu alterações e apresentou a seguinte configuração:

3º Lugar – Rabo de Palha (119 pontos)
2º Lugar – Cabras da Peste (119,4 pontos)
1º Lugar: Jovens do Cangaço (120 pontos).

Com este resultado, a Jovens do Cangaço acumula 12 títulos de campeã e 5 de vice-campeã.
Mas esta não é a primeira vez que as agremiações Jovem do Cangaço e Rabo de Palha figuram em disputa fora da quadra do arraial. Em 2004 e 2006, também por motivo de empate e, por não haver a cláusula de poder recorrer para desempate, foram declaradas vencedoras. “Este ano encontramos a falha deles e preferimos não aceitar o empate e recorrer”, afirma Paulo, dando por seguro não ser justo repartir o prêmio, considerando ter apresentado um tema tão atual como “Lugar de mulher é onde ela quiser”, além de ter figurado de forma convincente.

Paulo Morais diz que no início do mês de março já se iniciam os trabalhos para o Festival Jeca Tatu, mas diz ter dúvidas se a agremiação Jovens do Cangaço se apresenta em 2019, pelo desgosto no julgamento e outras falhas.

 

Jurados

Na opinião de Paulo Morais, este ano o Corpo de Jurados foi muito rígido com algumas quadrilhas e benevolentes com as consideradas quadrilhas de ponta, fechando os olhos para detalhes que dariam perda de pontos.
“Percebemos que nas apresentações houve muitas falhas”, acusa Paulo Morais, citando moças que dançaram descalças, muito chapéu caído dos rapazes e outros erros considerados por ele como absurdos.

Reportagem: Francesco Costa | Da Redação do Portal Pebinha de Açúcar

Fechar Menu
error: Reprodução proibida!