serra-pelada

Serra Pelada renasce com novas tecnologias – e com as suspeitas de sempre

• 04/11/2013 • CurionópolisComentários (0)

VILA DE SERRA PELADA, CURIONÓPOLIS (PA) / O formigueiro humano que cavou à mão uma cratera de 190 metros desapareceu por completo da paisagem de Serra Pelada. Foi substituído por um lago formado pelas chuvas. Não há mais ouro na superfície, mas é ainda possível encontrar um ou outro pedaço de quartzo.

Uma nova mina está sendo aberta a menos de um quilômetro da Serra Pelada “original”, mas a paisagem é tão distante da vista 30 anos atrás que mais parece saída da imaginação de Julio Verne, autor de Viagem ao Centro da Terra.

A mineradora canadense Colossus alugou o mesmo “tatuzão” usado nas obras de metrô em São Paulo para cavar a galeria de 200 metros de profundidade. Os vários caminhos que levam às fontes de ouro, no entanto, formam uma área subterrânea de dois quilômetros de extensão.

Para descer os túneis escuros é preciso embarcar num veículo com tração nas quatro rodas e usar macacão, capacete com lanterna e cinto especial que inclui uma máscara de oxigênio para casos de incêndio ou deslizamento. Somente 20 trabalhadores descem a mina a cada turno, por razões de segurança.

Se muita coisa mudou dentro da mina, a Vila de Serra Pelada continua praticamente a mesma. As ruas nunca foram asfaltadas e precisam receber um jato de água no fim da tarde para que as casas de madeira não sejam tomadas pelo pó vermelho. O vilarejo não tem uma só torneira de água potável nem tratamento de esgoto. Para chegar, o visitante precisa percorrer 35 quilômetros de estrada de terra. O sinal de somente uma operadora de telefonia chega a Serra Pelada – ainda assim, em pontos específicos que já quase viraram pontos de encontro dos moradores.

Esperanças. Com tamanha falta de estrutura, a população tem, naturalmente, grande expectativa em relação ao reinício da exploração do ouro. Como os funcionários administrativos da Colossus também usam macacões facilmente identificáveis a quadras de distância, os moradores de Serra Pelada tentam, sempre que podem, apresentar suas demandas. A empresa tem um funcionário dedicado a ouvir a comunidade, mas diz que não tem obrigação de resolver os problemas sociais. Afirma que ajuda a comunidade com a geração de emprego e renda. Lembra ter investido R$ 600 milhões no projeto e que gera 1,5 mil empregos.

Boa parte da comunidade de Serra Pelada é de ex-garimpeiros – portanto, sócios da Colossus no projeto. A mineradora só teve acesso à área após acordo com a cooperativa dos trabalhadores de Serra Pelada, a Coomingasp. O governo federal repassou a eles o direito da mina, que pertencia à Vale, em 2007. Após bancar o desenvolvimento do projeto, a múlti vai ficar com 75% do ouro. Em 2010, o Ministério de Minas e Energia ratificou o acordo sobre os porcentuais. O ministério nega benefício à mineradora e diz que já interveio para garantir que a fatia dos trabalhadores não fosse diluída ainda mais.

Desde então, a Colossus já pagou R$ 54 milhões em royalties à cooperativa, mas o dinheiro nunca chegou às mãos dos garimpeiros (ler mais na pág. B7). A Colossus se defende. Diz que só usou as contas escolhidas pelos dirigentes da Coomingasp. Porém, para o promotor Hélio Rubens Pereira, do Ministério Público do Pará, a mineradora agiu de forma no mínimo “atípica”. “Como pode uma multinacional confiar um patrimônio coletivo numa conta privada?”, questiona.

Na Justiça. Como desaparecer com R$ 54 milhões? No caso dos pagamentos feitos pela mineradora canadense Colossus à Coomingasp, cooperativa que reúne os garimpeiros de Serra Pelada, as suspeitas são de que a fórmula inclui depósitos milionários em contas pessoais, processos “combinados” na Justiça e de venda indiscriminada de carteiras de garimpeiro que dão direito a uma fatia da compensação.

Com o projeto da Colossus próximo da conclusão, a tensão escalou entre os garimpeiros, que não viram um tostão. Em agosto, um grupo contrário ao acordo entre Coomingasp e Colossus entrou em conflito com a polícia, que reagiu com balas de borracha e gás lacrimogêneo. Foi quando o Ministério Público do Pará obteve autorização judicial para intervir na cooperativa. Na varredura dos repasses feitos até então, explica o promotor Hélio Rubens Pereira, o MP descobriu que todo o dinheiro repassado pela Colossus à cooperativa era depositado em contas pessoais de ex-dirigentes da entidade.

Segundo o promotor, a justificativa para o depósito em contas pessoais seriam as dívidas judiciais da Coomingasp, que “comeriam” todos os recursos. Porém, o Ministério Público apurou que parte desses processos seria “combinada” e a cooperativa “esquecia” de contestar vários deles. O dinheiro seria dividido posteriormente.

O MP investiga ainda um esquema de venda de carteiras de garimpeiro que inflou o número de associados da Coomingasp a cerca de 40 mil. A ideia é revogar as carteiras fraudulentas e reduzir esse número, elevando o valor pago aos reais garimpeiros.

Tanto interesse nas carteiras tem razão de ser: com o início da produção da mina, em 2014, o valor repassado pela Colossus – R$ 330 mil por mês – deve subir. Os trabalhadores teriam direito ainda a uma indenização de R$ 600 milhões da Caixa Econômica Federal, que tinha monopólio do ouro extraído nos anos 80. A direção da Coomingasp já recorreu ao Tribunal de Justiça do Pará para retirar o interventor da cooperativa, negando as acusações e pedindo sua recondução à entidade.

O fantasma do garimpo. Em Serra Pelada, o fantasma do garimpo ainda está bem vivo. As histórias de homens que ficaram ricos da noite para o dia sobreviveram ao tempo. Nem os 20 anos de inatividade da mina foram suficientes para eliminar entre os habitantes do pequeno vilarejo de ruas de terra a sensação de que, algum dia, os bons tempos voltariam. Lá no fundo, os poucos que ficaram – cerca de 8 mil, de um total de 100 mil que se acotovelavam por ali nos anos 80 – ainda guardam o sonho de “bamburrar” (enriquecer com o ouro, na gíria local).

“Do que mais tenho saudade da época de garimpeiro?”, diz Raimundo Gonçalves Dias, 56 anos, devolvendo a pergunta direcionada a ele. Sentado na sala de sua casa de madeira, rodeado por pôsteres com fotos dos filhos, um dos pioneiros de Serra Pelada – chegou em junho de 1980 – faz uma longa pausa e responde: “Tenho saudade da esperança de ser rico.”

Essa esperança foi alimentada porque Raimundo presenciou, em primeira mão, donos de barrancos localizados bem próximos aos seus encontrarem dezenas de quilos de ouro. Apesar de ter administrado quatro barrancos ao mesmo tempo, o garimpeiro diz que só achou “ourinho”. Uns quilinhos suficientes somente para manter os custos ao longo do tempo.

Tomado pela febre do ouro, chegou a carregar 2,5 mil sacos de areia de um barranco que não produziu nada. Raimundo jamais desistiu da procura mesmo muito depois de os parentes que o haviam seguido voltarem para casa. Não largou a peneira e a bateia por uma década. Ele só desistiu quando o governo Collor fechou o garimpo.

Apesar de seu nome soar como um presságio para o enriquecimento com ouro, Aurino Francisco dos Santos, 73 anos, hoje só tem dinheiro para se sustentar graças a uma padaria que abriu já perto do fim do auge de Serra Pelada. Nos anos 80, na esperança de bamburrar, ele reinvestia tudo o que ganhava no garimpo. “Esperava ficar rico, e a esperança nunca acabava, porque tinha gente que achava muito ouro.”

Desanimado com Serra Pelada, à medida que ouro próximo à superfície começou a rarear, Aurino também tentou garimpar no Piauí – sem sucesso. Voltou a Serra Pelada. Vive numa casa sem pintura e, todos os dias, sempre às 17h, reúne-se com amigos para trocar histórias de garimpo e jogar dominó.

Ciclo. Josafá Alves de Souza tinha 18 anos quando deixou a Santa Luzia, no Maranhão, em direção a Serra Pelada. Chegou tarde: em 1983, o garimpo já era um formigueiro humano. Teve de começar por baixo, como carregador de sacos do “empresário” (dono do barranco) em troca de comida. Só recebia um porcentual quando achava ouro.

Por 20 anos, Josafá perambulou por empregos na construção civil no Pará e no Maranhão. Deixou a família na vila e só fazia visitas a cada 40 ou 50 dias. Há três anos, arranjou seu primeiro emprego perto de casa e fechou seu ciclo na indústria do ouro. O ex-carregador de sacos agora opera equipamentos pesados na Colossus.

Reportagem: Fernando Scheller, de O Estado de S. Paulo

Pin It

Related Posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>