Publicidade

Universitário filho de Serra Pelada ganha bolsa de estudos no Canadá

Marcílio Rocha passou por todas as etapas do programa Ciência sem Fronteiras no Brasil e, após isso, foi aceito por uma universidade canadense para estudar durante um ano e meio em Thunder Bay, Ontário, Canadá.

Marcílio Cardoso Rocha, de 25 anos, é estudante do curso de bacharelado em Geologia na UFPA – Universidade Federal do Pará em Marabá. Ele que é filho de garimpeiro, nasceu e cresceu em Serra Pelada, onde estudou o ensino fundamental e médio em escola pública, ingressou na universidade via processo seletivo (vestibular) no início de 2011 sem nunca ter se matriculado em cursinho pre-vestibular.


Marcílio se dedicou bastante desde sua entrada na universidade, onde participou de programas de iniciação científica, monitorias e outras atividades acadêmicas e se destacou pelo seu desempenho. Pela primeira vez ele se inscreveu para concorrer a uma bolsa de intercâmbio do programa do Ciência sem Fronteiras do Governo Federal que leva estudantes que se destacam no Brasil para estudar em excelentes universidades internacionais e o resultado foi positivo em todas as etapas e ele foi aprovado no Brasil e aceito no Canadá para continuar seus estudos em uma universidade na cidade de Thunder Bay, Província de Ontário, com todas as despesas pagas.

Sua chegada ao Canadá ocorreu no dia 11 de março e ele já está frequentando as aulas de Inglês. Segundo Marcílio, seis meses serão dedicados exclusivamente para o curso de ESL (English as a Second Language) e os outros doze meses serão para estudar disciplinas relacionadas à mineração e realizar estágio.
“O programa Ciência sem Fronteiras é uma oportunidade única para quem realmente gosta de estudar, para quem quer experimentar o estilo de educação internacional e para quem quer aprender de verdade uma segunda língua com todas as despesas pagas. Estou muito feliz aqui” comemora o estudante.

De acordo com Marcílio, todos os estudantes deveriam procurar conhecer melhor esse incrível programa e tentar programar uma carreira acadêmica com antecedência, sempre tentando fazer o melhor de si desde o início do curso, pois isso facilita o ingresso em oportunidades como o Ciência sem Fronteiras.

Compartilhe essa notícia

Tags

Veja também

Fechar Menu