Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Construção civil registra segunda alta consecutiva na geração de emprego formal no Pará

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Obras do Prosap estão gerando vários empregos em Parauapebas

Mesmo em meio à pandemia, o setor de construção civil apresentou saldo positivo na geração de emprego formal no Pará em julho, na comparação com o mês anterior. A alta ocorre pelo segundo mês consecutivo. Em junho, com a flexibilização das atividades econômicas, o saldo entre admitidos e desligados foi de 2.280 postos de trabalho. Em julho, houve crescimento de 18% com o registro de 2.689 vagas formais preenchidas. Os dados são do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) em parceria com a Secretaria de Estado de Assistência Social, Trabalho e Renda (Seaster), a partir de informações do novo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério da Economia.

Desde o início do ano, a construção vinha amargando quedas, que se acentuaram com a pandemia e alcançaram a marca de 1.758 posições negativas no mês de abril. “Os dados são resultantes do Observatório do Trabalho no Pará, que analisou o setor, que é um dos maiores concentradores de mão de obra no Estado. Em julho, ele contratou 5.613 pessoas com carteira assinada e desligou 2.924. O saldo positivo chegou a quase 2.700 postos de trabalho”, explicou Everson Costa, técnico em Economia do Dieese.


A flutuação de empregos formais no setor dentro da região Norte mostra o Pará melhor posicionado em relação aos demais estados. Entre janeiro e julho deste ano, foram admitidas 28.228 pessoas frente ao desligamento de 26.374, gerando um saldo de 1.854 postos de trabalho. O número é o mais alto da região, seguido dos estados do Tocantins (1.537); Acre (258); Roraima (91); Amapá (-170); Rondônia (-397) e Amazonas (-444).

Somando-se o crescimento observado desde junho, o Estado já acumulou 4.969 postos e reflete o retorno das atividades econômicas previstas no Programa Retoma Pará, lançado pelo Governo do Estado, com vistas a alavancar a economia. “A construção civil é fundamental para a retomada na geração de empregos, na volta das ocupações, na elevação da renda e, sobretudo, na melhoria da condição de vida dos trabalhadores”, pontuou Everson.

O crescimento da empregabilidade no Pará no início do segundo semestre deste ano reforça a execução das políticas públicas do Governo do Estado. “Com o retorno das atividades econômicas e sociais no Pará, conseguimos dar suporte para a intermediação de mão de obra realizada nos 44 postos do Sistema Nacional de Emprego (Sine) em território paraense, gerenciados pela Secretaria de Estado de Assistência Social, Trabalho, Emprego e Renda (Seaster)”, afirmou Inocêncio Gasparim, titular da Seaster.

Ampliando-se os demais setores da economia, o Pará foi o quinto colocado na geração de empregos formais em todo território nacional durante o mês de julho, com saldo positivo de 7.356 postos de trabalhos entre admitidos e desligados. “Os números revelam que esse é o melhor resultado do estado do Pará para o mês de julho nos últimos 10 anos, com destaque no setor de construção civil. Com essa quinta colocação, o Pará zera os empregos perdidos durante o ano, passando a ter apenas saldos positivos. O resultado é fruto das obras públicas e das oportunidades do nosso governo”, frisou o secretário.

O Programa Asfalto Por Todo o Pará é um dos responsáveis pela geração de emprego e renda no setor de construção civil. Obras de pavimentação estão previstos em 65 municípios em todo o Estado.

Publicidade

Veja
Também