Abuso Sexual é crime: Projeto Pipa nas Escolas é lançado em Parauapebas

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Na manhã desta quinta-feira, 26, representantes da Secretaria Municipal de Assistência Social (Semas), o Conselho Municipal de Direitos da Criança e Adolescentes (COMDCAP), em parceria com o Centro de Convivência e Fortalecimento de Vínculos – Pipa, apresentaram à comunidade escolar do município o novo projeto Pipa nas Escolas, que terá como um dos objetivos, contribuir para as ações de combate à exploração e abuso sexual de crianças.

O evento de lançamento foi realizado na Escola Municipal Nelson Mandela, e trouxe ao público presente, apresentações teatrais, musicais, contos infantis, além de inúmeras dinâmicas com informações relevantes sobre o atual cenário em que a sociedade tem vivido nos últimos tempos, sensibilizando pais e educadores, como identificar possíveis abusadores e proteger suas crianças.


A secretária de Assistência Social, Vânia Monteiro, comentou a importância de todos estarem envolvidos nesse processo. “É preciso saber identificar o abuso e a exploração sexual infantil, sendo esse o primeiro passo para que as crianças consigam se proteger e saibam buscar ajuda. Tão importante quanto isso é enxergar a escola como um ambiente de acolhimento, onde o aluno possa ser escutado e respeitado”, comentou a gestora.

A violência sexual coloca em risco o bem-estar e o futuro de crianças e adolescentes, onde as consequências podem ser tão graves ao ponto de comprometer o desenvolvimento e a capacidade de aprendizagem da vítima, a socialização, e gerar traumas muitas vezes irreversíveis em sua formação social.  Josiane de Moraes, mãe de aluno da rede municipal de ensino, sabe bem disso e tem a escola como uma aliada na proteção aos seus filhos, e agora pode contar com o apoio do Pipa nas Escolas. “É muito importante falarmos sobre isso, porque as nossas crianças quando estão fora de casa, correm riscos e esse é um momento importante para que elas venham desde pequena aprender a ter consciência desse alerta”, pontuou a dona de casa.

A comunidade escolar precisa estar preparada, para ajudar o aluno, caso esteja enfrentando uma situação como essa, um pensamento defendido pelo vice-prefeito de Parauapebas, João Trindade. “Ainda que o tema seja delicado e difícil para muitos, o educador pode fazer a diferença em garantir a proteção dos direitos da infância e da adolescência, por isso, ele também precisa conhecer as dimensões do fenômeno e saber como enfrentá-lo, este projeto é importante para nossas crianças”, destacou o vice prefeito de Parauapebas.

No primeiro momento o Pipa nas Escolas, irá preparar os estudantes do primeiro ciclo do ensino fundamental, crianças de 5 a 10 anos. De início o projeto terá duração de um ano e se estenderá entre as escolas municipais de Parauapebas, mas a intenção é despertar a atenção de todo o segmento social para não silenciar sobre esse tipo de crime. O projeto foi lançado em alusão a Campanha Nacional de Combate à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes, e teve esse ano como tema: “Quem não denuncia também violenta” e para buscar ajuda, o número para denunciar as práticas de abuso sexual é o Disque 100 e funciona em todo o Brasil.

veja também