Acusado de mandar matar casal de pioneiros de Parauapebas é preso

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Antonio Carlos

Um crime ocorrido na noite do dia 11 de agosto de 2020, tendo como vítimas Arlindo Settubal dos Santos e Francisca Lucirene Alves do Nascimento, motivado por ambição do acusado, de acordo com investigações da Polícia Civil. As investigações apontam que o preso tem participação no duplo homicídio para não devolver um pequeno rebanho de bovinos que havia pego para engordar.

Os corpos foram encontrados na manhã do dia seguinte, porém, ninguém havia sido preso em decorrência da culpa. Na manhã desta quarta-feira, 2, a Polícia Civil deu cumprimento ao Mandado de Prisão Preventiva, expedido pelo juízo da Comarca de Curionópolis, em desfavor de Antônio Carlos Alves dos Santos, em razão de ter sido apontado nos autos do inquérito que apura as mortes do casal como sendo o mandante do crime.


De acordo com o delegado Élcio de Deus, diretor da 20ª Seccional de Polícia Civil de Parauapebas, as diligências para cumprimento do mandado, se estenderam a outros municípios da região, tendo sido iniciadas no mês de outubro, mas, o suspeito havia desaparecido. “Logramos êxito na manhã de hoje, quando o suspeito foi surpreendido no interior de um veículo que vinha sendo monitorado pelos policiais”, contou Élcio de Deus, em entrevista coletiva, concedida à imprensa de Parauapebas, um dia após a prisão de Antônio Carlos, quando o delegado também informou que o cumprimento dos mandados encerra a primeira fase da OPERAÇÃO BARRA DO CEDRO.

Casal que perdeu a vida

 

Ainda de acordo com o revelado na entrevista, Antônio Carlos é uma pessoa muito tranquila e nega a participação no crime. Mas, com as provas colhidas nas investigações, ele responderá pelo Artigo 121 do Código Penal Brasileiro, na condição de mandante do duplo homicídio.

O acusado na participação do duplo homicídio do casal de pioneiros de Parauapebas foi candidato a vereador nas eleições municipais deste ano na “Capital do Minério” e obteve 184 votos.

Outra prisão – O acusado havia sido preso no dia 12 de agosto, tendo sido feito buscas em sua casa onde foi encontrada uma arma de fogo. Porém, como as capsulas encontradas não condiziam com a arma apreendida, notou-se não ter relação com o assassinato. Ele pagou fiança pelo crime de posse ilegal de armas e o inquérito policial corria com o flagrado em liberdade.

Publicidade

veja também