Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Adonei diz que 95% das aulas estão seguindo de forma normal e que professores são baderneiros políticos

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Durante a manhã desta segunda-feira (18), o Portal Pebinha de Açúcar publicou uma matéria com o título “SEM ACORDO: Aulas das escolas municipais são paralisadas em Curionópolis”, onde Hebber kennady, atual Coordenador do Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Pará (SINTEPP), comentou sobre a paralisação que ocorreu nas aulas da rede de ensino daquela cidade e teceu críticas ao governo liderado pelo prefeito Adonei Aguiar (DEM).

Logo após a publicação da matéria, Adonei Aguiar entrou em contato com a equipe de reportagens do Portal Pebinha de Açúcar e disse que 95% das aulas estão seguindo de forma normal nas escolas públicas municipais de Curionópolis. “Foi um fiasco a greve do sindicalista político, apenas 15 professores aderiram ao movimento. Esse pessoal ligado ao Sintepp é um monte de baderneiros políticos”, disparou Adonei, se referindo ao movimento liderado por Hebber kennady, titular do SINTEPP.


Por sua vez, Hebber desmentiu Adonei e disse que a paralisação continua e que a informação do prefeito, de que 95% das aulas estejam ocorrendo de forma normal, não procede. “Vamos vistoriar as escolas nesta tarde, porém, os alunos estão voltando para suas casas. No fundamental II, a maioria dos professores é concursada e paralisou as atividades”, disse o sindicalista.

De acordo com o SINTEPP Curionópolis, na lista dos direitos violados pelo governo municipal estão: Plano de Cargos, Carreira e Remuneração (PCCR), redução da jornada dos vigias e o triênio das merendeiras.

A paralisação, de acordo com Hebber Kenady, é a sinalização para greve que poderá ser deflagrada a qualquer momento, caso o prefeito Adonei Aguiar, através da Secretaria Municipal de Educação, não proceda as conversações com negociações e concretizações das medidas devidas. “Mais uma vez estamos dando ao prefeito a oportunidade de evitar o desgaste público, através de uma greve, o que só comprometeria o ano letivo”, explica o coordenador.

 

Reportagem: Francesco Costa | Da Redação do Portal Pebinha de Açúcar

Publicidade

Veja
Também