Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Agente de trânsito é preso acusado de feminicídio em Parauapebas

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Dayse Dayana deixou órfão um filho

Desde a manhã deste domingo (31), Parauapebas e região comentam pelas redes sociais a morte da jovem Dayse Dyana Lemos, esposa do agente de trânsito do Detran/PA, Diógenes Samaritano. A primeira informação foi de que ela teria se atirado do segundo piso da residência localizada na rua Canindé, Bairro Parque dos Carajás, onde o casal residia.

Bastante conhecido em Parauapebas e região, o fato ainda repercute bastante nas redes sociais e os meios de comunicação começam a circular as primeiras informações oficiais, relatadas por autoridades que acompanham o caso.
Delegado Gabriel afirma que se trata de feminicídio
Samaritano foi preso nesta tarde de domingo em um escritório de advocacia. Em entrevista, o delegado Gabriel relatou como ocorreu a prisão, bem como o desenrolar do caso. “Hoje por volta das 8 horas da manhã o investigador Baiano entrou em contato com o delegado Dufrae Abade informando que recebeu a informação via telefone pelo advogado do Samaritano que a esposa dele havia se suicidado. O delegado foi ao local do delito e eu solicitei ele que me encaminhasse algumas fotos, avaliamos as fotografias sem adentrar na residência e achamos que o suicídio estava duvidoso, por essa razão entramos em contato com a diretora do IML, Leila, e de imediato ela nos atendeu e solicitamos profissionais do Centro de Perícias Renato Chaves de Marabá para que fizessem uma perícia no local de crime. Nós delegados analisamos juntos as fotografias, sem adentrar o local, pois ele foi isolado a espera dos peritos. Achamos que o marido devia dar esclarecimentos, mas ele havia sumido, passamos a realizar diligências com a intenção de o localizar, analisando o banco de dados ficamos sabendo que na semana passada ele foi condenado na Lei Maria da Penha por agressão física a esposa, a condenação foi de dois anos e a prisão se transformou em medidas cautelares, prestar serviços a comunidade e não frequentar determinados locais, não houve prisão pois foi convertida a medidas cautelares. Isso reforçou uma briga do casal e possivelmente o feminicídio. Com a intenção de o prender, passei a fazer campana no escritório dos advogados, e, por volta das 14 horas, um dos advogados saiu e o outro advogado passou a espiar e continuou espiando, depois verificou o meu carro, reconhecendo como o carro do delegado, ele emitiu alguns gestos que confirmou a minha suspeita. Em razão disso entrei o contato com o advogado e informei que eu iria adentrar o local perante ordem do juiz, mas ele pediu para não algemar o cliente e que nem o encaminhasse para a carceragem do bairro Rio Verde. Entramos e realizamos a prisão dele e o conduzimos a Delegacia, em momento algum ele foi apresentado espontaneamente. O filho estava com um parente, alguma vermelhidão foi vista no pescoço da criança, que será ouvido pela psicologa da Polícia Civil. Samaritano veio quieto e não falou nada. A princípio será autuado por homicídio e feminicídio pela morte da esposa. O corpo estava muito próximo a parede em um corredor da casa, caso ela tivesse se suicidado, teria possivelmente caído sobre o muro, isso levantou a suspeita. Ele também sumiu da cena, não compareceu a Delegacia, não registrou ocorrência, não resguardou o corpo da esposa. Também ficamos sabendo que ontem (30) a vítima entrou em contato com uma amiga e reclamava da vida que levava com o marido”, informou o delegado Gabriel.


 

 

O agente de trânsito ainda não foi ouvido pela polícia até o fechamento desta matéria.

Publicidade

Veja
Também