Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Agente penitenciário é preso em Parauapebas acusado de facilitar fuga de preso

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Diante das eventuais fugas de presos ocorridas nos últimos meses na carceragem municipal do Rio Verde, em Parauapebas, a Polícia Civil investigou e chegou à conclusão que o agente prisional Antonio da Cruz Utagaua teria recebido uma serra da esposa de um detento e facilitado a fuga de presos na noite de segunda para terça-feira (19).

Para chegar a esta conclusão, a polícia diz ter ouvido outros agentes prisionais que prestam serviço na carceragem e também detentos que se encontram custodiados naquela cadeia pública.


De posse das supostas provas, o delegado titular da 20ª Seccional Urbana de Polícia Civil em Parauapebas, Rodrigo Paggi, prendeu Antonio da Cruz e o colocou à disposição da Justiça. Segundo o delegado, o acusado deverá ser enquadrado nos crimes de facilitação de fuga de presos, com pena aumentada por se tratar de servidor público estadual, uma vez que o mesmo é lotado na Superintendência do Sistema Penitenciário do Estado do Pará (Susipe). O agente penitenciário Nazareno foi acusado também de cometer o mesmo crime, mas prestou depoimento como testemunha e foi liberado.

Nilcélia de Souza Silva, diretora da unidade da Susipe em Parauapebas, explica que a acusação contra o agente Antonio da Cruz foi feita por um detento, após a fuga dos presos Samuel Cruz (estuprador) e Ricardo Miguel (traficante de droga).

Segundo informou o preso à polícia, o agente penitenciário, que se encontrava de folga do serviço, teria recebido da mulher de outro detento R$ 400,00 para repassar a serra ao detento e facilitar a fuga dos dois presos.
Ouvido pela reportagem, Antonio da Cruz sustenta que a acusação é infundada. “Não recebi dinheiro e nem serra de ninguém, e também não facilitei fuga de preso”, defende-se o agente penitenciário, lembrando que há meses atrás dois colegas dele, Cassiano e Fábio, foram exonerados dos cargos, mas nesse caso, segundo ele, foi provado que eles estavam repassando aparelho celular e droga para detentos. “Estão me colocando como bode expiatório”, dispara.

Reportagem: Vela Preta / Waldyr Silva – Da redação do Portal Pebinha de Açúcar

 

Publicidade

Veja
Também