Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Agricultores assentados investem em piscicultura no Sul do Pará

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Agricultores assentados da reforma agrária estão trabalhando com a criação de peixes em 29 assentamentos do sul do Pará, nos municípios de Marabá e Itupiranga. A iniciativa é parte do contrato de assistência técnica firmado entre o Incra e a empresa Agroatins Carajás, que incentiva a piscicultura como fonte de alimento para as famílias e renda com comercialização de tambaquis.

Foram selecionadas 100 famílias com lotes em condições e com aptidão para a prática da atividade. Nas áreas foram implantadas unidades demonstrativas para treinamento dos agricultores. A assistência da prestadora envolve várias etapas. Primeiro, o trabalho educativo para explicar a importância do manejo adequado da piscicultura, mercado e comercialização.


Depois são feitas visitas para mensurar o tamanho dos tanques, conservação e localização dos mesmos, verificar a qualidade da água, correção, adubação, medição de PH (teste do nível de acidez ou alcalinidade) e agendamento para a construção dos viveiros que acomodam os alevinos, como são denominados os peixes recém-saídos dos ovos. Em seguida, são apresentados os materiais e insumos de produção, que são fornecidos pelo Incra e Agroatins Carajás. Ocorrem ainda visitas técnicas para a entrega dos alevinos e, por último, o acompanhamento e o monitoramento das unidades demonstrativas.

Para iniciar a piscicultura, cada família recebe mil alevinos.

Já foram entregues 30 mil alevinos da espécie tambaqui e outros 70 mil estão sendo transferidos pela prestadora. Até o terceiro mês de vida, os 100 mil alevinos devem consumir sete toneladas de ração. A partir daí, outros alimentos podem ser incorporados à dieta dos peixes. A expectativa é de que cada peixe atinja o peso de um quilo em 12 meses.

Após a capacitação dos agricultores selecionados, serão realizados mais dias de campo para orientar outros beneficiários assentados na região com o objetivo de capacitar os interessados e implantar mais viveiros e tanques nos assentamentos.

Publicidade

Veja
Também