Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Alegando não pagamento de indenização, trabalhadores rurais param obras da Vale no Ramal Ferroviário

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Os dias 28 de fevereiro, 20 de março e 23 de abril são datas das quais os moradores do Projeto de Assentamento Boa Esperança, que fica localizado em Parauapebas não têm boas lembranças. Segundo eles, nestas datas, a Mineradora Vale marcou e não cumpriu, de pagar o valor negociado pelos impactos causados pela construção do Ramal da Estrada de Ferro Carajás (REFC) que em seus 101 quilômetros de extensão passa dentro de suas propriedades.

Trata-se de 32 famílias que juntas receberão aproximadamente R$ 1 milhão, valor que segundo eles está atrasado desde o dia 28 de fevereiro, primeira data marcada para a Vale efetuar o pagamento.


A vice-presidente da Associação dos Moradores do PA Boa Esperança, Maria Adalgisa dos Santos, relata que não é de hoje esse impasse entre a mineradora e os trabalhadores rurais daquele PA, e conta que desde o início alegou que a área era de sua propriedade, porém provado ser da União os colonos puderam permanecer no local assentados pelo INCRA (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária). Ainda segundo relatos da trabalhadora rural, a Vale conseguiu reintegração de posse sob a promessa que em 40 dias teria outra área para os colonos, promessa não cumprida, os colonos voltaram para suas terras onde agora por necessidade de construir o REFC a mineradora negociou com eles o direito de passar em suas propriedades.

“O valor negociado não faz sentido diante do que temos na área, pois estão pagando R$ 2 por um pé de maracujá”, reclama Adalgisa, dizendo que as marcas de destruição são visíveis no local onde se nota pomares arrancados e casas removidas.

Diante de todo esse impasse, os moradores pararam as obras de construção do REFC na manhã de sexta-feira (24) e permanecem no local à espera da resposta da mineradora. Na área se vê trabalhadores e máquinas parados e até o momento em que nossa equipe de reportagem esteve no local a empresa não havia ido ao local para negociar.

Outro lado

Em nota, a mineradora Vale esclarece que iniciou no ano passado de forma pacífica entre os moradores do Assentamento com apoio do Incra e Comissão Pastoral da Terra, que se encontraram em propriedade da empresa e vem mantendo um acordo estabelecido entre as partes, inclusive informando a todos sobre as etapas de negociação.
Segundo a empresa, todos os moradores que serão beneficiados estão cientes dos prazos apresentados aos colonos.

Reportagem e fotos: Francesco Costa – Da Redação do Portal Pebinha de Açúcar

Publicidade

Veja
Também