Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Aluna de escola pública lê 40 livros em menos de um ano

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Em plena era digital, cultivar o hábito de ler livros, como antigamente, é quase uma raridade, principalmente entre os jovens. Mas, na Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio Manoel de Jesus Moraes, no bairro do Marco, em Belém, os estudantes não só prezam pelos livros, como disputam campeonatos de leitura.

Com quase 500 alunos, o colégio criou o projeto ‘Ler Para Crescer”, baseado no hábito da leitura, incentivando os estudantes do ensino fundamental a ler, interpretar e dissertar os assuntos lidos em sala de aula. Na manhã da última quinta-feira (14), os professores premiaram os 16 alunos que mais se destacaram no projeto.


O destaque foi a aluna do 6º ano, Ana Carla dos Santos, de 12 anos, que leu mais de 40 livros durante todo o ano. “Querido Diário Otário foi o primeiro que eu li. De lá pra cá, me habituei com essa rotina de ler bastante e interpretar. Sempre aconselho meus colegas sobre isso. Quando posso, compro livros e, depois de ler, empresto para eles. Sou apaixonada por livros”, afirma.

A disputa pelo primeiro lugar foi acirrada. Débora Luane, também de 12 anos, leu 38 livros, ganhou a medalha de prata e, por pouco, não ganhou a colega Ana Carla.

Ana Carla e a professora Cristiane Caetano, que lançou a iniciativa

Pelo projeto, os estudantes interpretam o que leram em sala de aula e relatam os fatos para os colegas de outras turmas. A iniciativa é da professora de inglês Cristiane Caetano, que elaborou a atividade após perceber a grande dificuldade das crianças na leitura e na escrita.

A docente conta que no início percebeu que os alunos estavam perdendo o hábito da leitura e iniciou o projeto contando histórias pra eles na biblioteca, apresentando livros interessantes. Os estudantes começaram a gostar, emprestar e até a comprar livros.

“Foi aí que veio a ideia de lançar uma competição entre os alunos que mais lessem e interpretassem as obras. No final do ano, ganharia troféus, medalhas e livros. Isso virou uma febre na escola” – Cristiane Caetano, professora.

Diante do sucesso do projeto, a escola já está se preparando para ampliar a competição no próximo ano. “Tem o objetivo de estimular e criar nos nossos alunos o hábito pela leitura, pela escrita, pela interpretação e formação de textos. Em 2020, o projeto vai absorver todos os alunos da nossa rede escolar”, informa a diretora Lúcia Maia.

Publicidade

Veja
Também