Single Posts
Confirmados
26.267
Single Posts
Recuperados
15.327
Single Posts
Óbitos
177

 Publicidade

Área conhecida como “pé inchado” começa a ser desocupada pela Prefeitura de Parauapebas

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

A operação para desocupação da área que fica localizada nas proximidades da Praça dos Metais, conhecida popularmente como “pé inchado” teve início no dia 16 de novembro quando os feirantes foram notificados sobre o prazo previsto para a ação quando deveriam se decidir entre os dois espaços oferecidos a eles para a remoção: o Mercado Municipal do bairro Rio Verde e o CAP (Centro de Abastecimento de Parauapebas). Ambos os espaços receberão melhorias e adequações para recebe-los e agora chegou o momento em que não será mais permitido a permanência de nenhum tipo de comércio dentro da Praça ou em espaços públicos a seu entorno.

O CAP está recebendo 60 feirantes onde, de acordo com Jair Diogo, estão sendo construídos 10 boxes para abatedouro e comercialização de aves; os demais têm lugar garantido no Mercado Municipal do bairro Rio Verde para onde está sendo transferida parte dos comerciantes de roupas que ocupavam a Praça Dos Metais. Os restaurantes conhecidos como “de costa pra rua” também serão removidos para o Mercado do Rio Verde e ali ficarão até que se construa uma Praça de Alimentação com estrutura definitiva para todos.


A demolição dos galpões da Feira do Produtor, na Praça dos Metais, está sendo feita. A ação é a concretização da vontade do Poder Executivo que, com a intervenção do Poder Judiciário, vem sendo realizada; e inclui os dois galpões, os restaurantes conhecidos como “de costa pra rua” e a remoção de todas as barracas que comercializam roupas, cereais e animais vivos ou abatidos.

A ação é realizada pela SEMURB (Secretaria Municipal de Urbanismo) que de acordo com o Chefe de Gabinete da SEMURB, Jair Diogo, trabalhará ininterruptamente para que o local seja esvaziado.

A área é consideravelmente grande sendo local de passagem obrigatória para a integração entre complexos de bairros, porém com a poluição visual descaracterizava o centro da cidade. Após desocupada, a referida área dará lugar, segundo Jair Diogo, a uma grande praça multifuncional que abrigará eventos, playground, pista para caminhada, academia ao ar livre, espaço para esportes diversos etc. “Esse trecho da Rua 14 será extinto, incorporando-o à praça, que será contornada pelas Ruas 15 e 13”, desenha Jair Diogo, detalhando ainda que após concluídas as melhorias no interior do Mercado do Rio Verde os feirantes que comercializam roupas ocuparão os boxes transformando o local em uma galeria (camelódromo).

A realidade de quem vive a remoção

Dona Edna Felix da Silva assistia com ar de tristeza a desmontagem de sua barraca feita de forma simples com madeira serrada sem nenhum acabamento. Mas foi daquela forma simples que ela diz ter mantido a família ao longo de 20 anos. Ela já passou pela experiência de uma remoção dali para o novo Centro de Abastecimento, mas como por lá as vendas não decolaram, voltou para a Praça dos Metais, lugar de onde ela não gostaria de sair. “Quando comecei aqui não tinha nem os galpões construídos. “Há 20 anos conquistamos estes galpões. Fui uma das que ocupou a prefeitura reivindicando as melhorias para todos nós feirantes”, conta Edna Felix, lembrando que as melhorias pedidas na época eram caminhões para os colonos e casa para hospedagem dos mesmos em dias de feiras, coisas que ela conta com visível tristeza.
Ela agora vai de novo tentar a vida no CAP e diz não ter nenhuma certeza quanto a seu futuro de feirante.

Vitor Sardinha dos Santos, é um dos feirantes que está sendo removido da antiga Feira do Produtor. Ele conta que há 15 anos trabalha naquele local onde vende uma diversidade de produtos: farinha, coco, melancia, banana e poupas de frutas diversas.
Ele admite que no início no local acontecia feira em dois dias da semana, quando os feirantes expunham suas mercadorias as retiravam em seguida. “Foi eu o primeiro a armar barraca fixa e com isso outros foram fazendo o mesmo até o local, que na verdade é a Praça dos Metais, se tornar em um emaranhado de barracas”.

Agora, Vitor Sardinha é um dos removidos e diz que se o governo fizer os investimentos necessários será bom ir para um lugar com mais estrutura. O feirante reclama do tamanho de seu novo boxe que foi lhe garantido no Mercado do Rio Verde. “Não tem como eu trabalhar dentro de apenas dois metros quadrados”, mensura Vitor, dizendo que se for para ir para o CAP (Centro de Abastecimento de Parauapebas), prefere parar com o trabalho como feirante; mas felizmente seu Vitor vai continuar, pois será removido para o Mercado do bairro Rio Verde.

Expectativa

Luís Teles espera os novos vizinhos de banca no Mercado do Rio Verde onde ele está há 16 anos quando conta ter mudado espontaneamente da Feira do Produtor. Ele se diz animado com a vinda dos feirantes da Feira do Produtor, acontecimento que ele diz significar melhora nas vendas no Rio Verde. “Com mais mercadorias oferecidas aqui atrairão mais clientes, pois com a oferta de mais produtos em um só lugar o comércio será aquecido”, planeja Luís Teles.

O entorno do Mercado do bairro Rio Verde terá sua rotina mudada a partir da próxima semana quando sentirá o aumento do fluxo de pessoas e veículos que, em virtude da feira, acessará o local.

Reportagem: Francesco Costa – Da Redação do Portal Pebinha de Açúcar

Publicidade

Veja
Também