Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Associação bloqueia Ramal Ferroviário do S11D em Canaã dos Carajás

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Desde as primeiras horas da manhã desta quarta-feira (5) que membros da Associação das Famílias dos Produtores Rurais da Gleba Buriti na Serra do Rabo bloqueiam a Estrada de Ferro Carajás (EFC), mais precisamente no Ramal Ferroviário do Projeto S11-D, em Canaã dos Carajás.

A equipe de reportagens do Portal Pebinha de Açúcar recebeu uma nota oficial sobre a manifestação, confira abaixo na íntegra:


“A ASSOCIAÇÃO DAS FAMÍLIAS DOS PRODUTORES RURAIS DA GLEBA BURITI NA SERRA DO RABO EM CANAÃ DOS CARAJÁS – PA, inscrita no CNPJ sob o nº 27.568.495/0001-06 vêm a público se declarar e informar que O RAMAL FERROVIÁRIO DE ESCOAMENTO DO PROJETO S11D DA MINERADORA VALE ENCONTRA-SE BLOQUEADO.

BLOQUEADO da mesma forma que as propriedades rurais dos Associados se encontram desde 05 de junho de 2017 quando o Parque Nacional dos Campos Ferruginosos foi criado para atender a Licença de Operação 1361/2016 do Projeto S11D.

A Constituição Federal assim determina que “Todos são iguais perante a lei”.

Então não é justo que os Proprietários Rurais tenham suas vidas BLOQUEADAS enquanto a Mineradora VALE continua tendo lucros por conta do mesmo motivo que bloqueia a vidas de tais Produtores Rurais – a criação do Parque Nacional que foi condicionante da Licença de Operação.

O ICMBIO e Governo Federal já decidiu que a VALE é obrigada sim a resolver o impasse da existência de pessoas impactadas pela Criação do famigerado Parque Nacional: PARECER n. 00219/2019/COMAF/PFE-ICMBIO/PGF/AGU.

Várias foram as tentativas de se reunir com a VALE durante esses quase 03 (três) anos sendo que somente recebemos “enrolação” e promessas não cumpridas, EXISTEM PROVAS DE PROMESSAS NÃO CUMPRIDAS.

Em reunião com os Produtores, Vereadores e Prefeito em Canaã dos Carajás no dia 22/10/2019 a VALE prometeu que até janeiro de 2020 tudo estaria resolvido. Acontece que mentiu mais uma vez e desde outubro de 2019 não mais conversou com os impactados, ignorando todos os e-mails, mensagens e ligações.

É de ressaltar que a manifestação que se iniciou na data de hoje somente será encerrada com a liberação do Ramal Ferroviário quando a VALE resolver as pendências junto aos Associados – Reunir – Negociar e Promover a Regularização das Áreas.

A Manifestação encontra-se respaldada pela Constituição Federal e não interrompe nenhuma via de circulação de pessoas nem interfere em direitos constitucionais tais como o direito de ir e vir – Constituição Federal Art. 5º – Incisos IV, XVI, XVII.

Certo é que VALE vai tentar reverter a situação em favor dela, como o sempre fez, por isso é que a Associação se adiantou com a publicação da Verdade, contando com a compreensão e apoio de todos, inclusive já solicitamos para os Advogados da Associação dar entrada e Ação Judicial (0800114-21.2020.8.14.0136) no Fórum de Canaã dos Carajás onde se prova a Legalidade da Manifestação e desde já declaramos que iremos recorreremos até as últimas instâncias judiciais para garantir nossos direitos e continuidade da interdição da Ferrovia.

Se a VALE informar que por conta da presente Manifestação as negociações serão suspensas a Associação neste ato já se antecipam informando que as negociações com a VALE NUNCA SEQUER INICIARAM, mesmo com mais de 2 (dois) anos de espera e tentativas”.

Nota da Vale

Nossa equipe de reportagens também entrou em contato com a Assessoria de Comunicação (Ascom) da mineradora Vale, que por sua vez, nos encaminhou o seguinte posicionamento:

“A Vale esclarece que apoiará o ICMBio nas indenizações referentes aos direitos que o ICMBio apurar nos processos individuais de desapropriação dos ocupantes do Parque Nacional dos Campos Ferruginosos. Cabe acrescentar ainda que obstrução da ferrovia é crime, por gerar o perigo de desastre ferroviário, impacta a arrecadação de impostos e afeta a atração de novos investimentos para a região”.

Publicidade

Veja
Também