Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Bancários do Pará estão em greve por tempo indeterminado

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Os funcionários de bancos públicos e privados no Pará estão em greve por tempo indeterminado desde a zero hora desta terça-feira (30). A categoria acompanha o movimento grevista nacional, uma vez que o Comando Nacional dos Bancários e a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) não chegaram a um acordo com relação às reivindicacões dos profissionais. Ainda ontem à noite, os dirigentes do Sindicato dos Bancários do Pará e funcionários de bancos reuniram-se na sede da entidade. Eles referendaram a posição contrária do comando nacional sobre a proposta de reajuste salarial de 7,35%, apresentada no sábado.

Durante a greve, os caixas eletrônicos funcionarão e será mantido o serviço de compensação bancária, informou o Sindicato dos Bancários do Pará. Hoje pela manhã, os bancários terão movimentação de convencimento no corredor de bancos no centro de Belém: avenida Presidente Vargas e rua 15 de Novembro. Ainda não há informações sobre a quantidade de bancários que vão aderir à paralisação.


No Pará atuam 8.893 bancários. São 446 agências de quatro bancos públicos – Banco da Amazônia, Banco do Brasil, Banpará e Caixa – e cinco privados – HSBC, Itaú, Bradesco, Santander e Safra. De acordo com a presidente do Sindicato dos Bancários, Rosalina Amorim, a categoria reivindica 12,5% de reajuste salarial; pagamento de três salários de bancário e mais parcela fixa de R$ 6.247,00 como Participação em Lucros e Resultados (PLR); contratação de mais bancários; abertura de agências; plano de cargos, carreiras e salários para toda a categoria; auxílio-educação – pagamento para graduação e pós; piso de R$ 2.979,25 (salário mínimo do Dieese em valores de junho); prevenção a assalto e sequestros em Belém e interior do Estado; vales alimentação, refeição, 13ª cesta e auxílio-creche/babá: R$ 724,00 ao mês para cada (salário mínimo nacional); combate a terceirizações; redução das tarifas bancárias para o público em geral; melhores condições de trabalho e garantia no emprego.

“Nós entregamos a pauta de reivindicações da categoria aos bancos no dia 11 de agosto. No dia 19 ocorreu a primeira negociação, mas até agora não houve acordo”, afirmou Rosalina Amorim. Ela disse que na semana passada houve negociação com o Banco da Amazônia e Banpará, mas as instituições decidiram seguir a posição da federação nacional.

PROCON
O Procon orientou, em nota divulgada ontem, os consumidores a continuarem pagando suas contas, o que pode ser feito pela internet, nos caixas eletrônicos, casas lotéricas, supermercados e agências dos Correios. “A greve é um risco previsto nas atividades de uma instituição financeira, mas se o consumidor tentou outras formas de pagamento e não obteve resultado não poderá arcar com eventuais prejuízos”, explicou a instituição.

A Fenaban ainda esclareceu que apenas 10% das operações bancárias são feitas por meio das agências. A internet representa a maior parcela, com 41% das transações, seguida pelos caixas eletrônicos, com 23%, conforme números correspondentes a 2013. Questionada sobre as reivindicações dos bancários, a Fenaban respondeu que “permanece confiante na manutenção das negociações para um desfecho do acordo coletivo”.

Reportagem: ORM News
Foto: Marcelo Seabra

Publicidade

Veja
Também