Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Bombeiros e brigadistas civis combatem incêndio criminoso na Floresta Nacional de Carajás

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Parte da Floresta Nacional de Carajás está em chamas | Vitor Garcia Neto/ICMBio

Um dos focos identificado pelas autoridades está entre o Rio Parauapebas e o Aeroporto de Carajás

De acordo com parecer prévio do Corpo de Bombeiros Militar, trata-se de incêndio criminoso, podendo ter iniciado em um acampamento de caçadores; cenário que foi observado no local onde iniciou fogo.


Como na área existe uma grande camada de folhas secas e materiais vegetais em decomposição, o fogo se alastrou e já devorou grande área da Floresta Nacional de Carajás (FLONACA), onde homens do 23º Grupamento de Bombeiros de Parauapebas, a Defesa Civil, se juntaram à brigada de incêndios da mineradora Vale e trabalham ininterruptamente para debelar o incêndio. “É preciso combater esse tipo de crime para se extinguir os focos de incêndios e evitar a poluição ambiental, bem como os prejuízos causados à fauna e à flora”, recomenda o tenente Joselito, detalhando que os trabalhos continuam na área, fazendo o combate por terra e com o apoio de um helicóptero que mapeia a situação através de sobrevoo e duas aeronaves que transportam a água até ao local, já que o combate aéreo se torna difícil devido à altura das copas das árvores.

 

Conforme descrito pelo oficial militar ao Portal Pebinha de Açúcar, a folhagem mantém o incêndio que ganha força sempre que encontra uma árvore, consumindo suas raízes, podendo provocar sua queda. Mas, planeja que com resistência, persistência e técnica, logo terá fim.

Publicidade

Veja
Também