Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Câmara altera lei que criou Distrito Industrial de Parauapebas

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Atendendo pedido do Poder Executivo, que encaminhou à Câmara Municipal o Projeto de Lei nº 51/2017, solicitando alteração da Lei Municipal nº 4.323, de 20 de dezembro de 2006, que criou o Distrito Industrial de Parauapebas, os vereadores aprovaram na sessão da última terça-feira (19) alterações no § 1° do Artigo 4º e acréscimo do Artigo 4º A e B.

O projeto propõe mudança nas regras sobre a utilização de imóveis no distrito industrial do município, a exemplo da vedação de alienação ou qualquer forma de transferência para 20 anos, tendo em vista que o artigo vigente prevê o transcurso de apenas um ano.


Nas alterações do § 1° do Artigo 4º, o novo texto reza que “O imóvel alienado, conforme previsto neste artigo, somente poderá ser utilizado para a implantação de empreendimento compatível com a finalidade do Distrito Industrial, vedada a sua alienação ou qualquer outra forma de transferência, ainda que parcial, antes de decorrido o prazo de 20 anos, contados a partir da emissão do termo de doação, sob pena de retorno do bem ao patrimônio municipal”.

No Artigo 4º-A, a nova redação é a seguinte: “O interessado deverá formular requerimento de concessão de área para instalação de empreendimento, instruído com projeto, e remeter à Secretaria Municipal de Desenvolvimento (Seden)”.

Já o § 1° do artigo acima diz que “O projeto deverá possuir, no mínimo, I – o propósito de empreendimento; II – os recursos a serem aplicados e as suas fontes; III – o cronograma da implantação; IV – dados sobre a manutenção e geração de empregos diretos ou indiretos e o incremento de renda”.

No § 2° do Artigo 4º-A, a nova redação é a seguinte: “Para efeito de aprovação do requerimento formulado, será considerado, prioritariamente, I – geração de emprego e renda, diretos e indiretos; II – ramos de atividades; III – montante e investimento; IV – aplicação de tecnologia; V – prazo para início das atividades comerciais; VI – empreendimentos voltados para a melhoria da qualidade ambiental”.

Por fim, o Artigo 4º-B tem como redação “Retornará ao domínio do município de Parauapebas o imóvel alienado com as benfeitorias acrescidas, sem indenização, quando I – o imóvel não for utilizado em sua finalidade; II – não forem cumpridos os prazos estipulados; III – as atividades ficarem paralisadas por período superior a um ano; IV – o estabelecimento empresarial for para outro município; V – for decretada a falência da empresa beneficiária”.

De acordo com a justificativa do projeto, as alterações sugeridas buscam coibir especulação imobiliária no âmbito do distrito industrial, além de evidenciar no beneficiário os objetivos, metas e diretrizes disciplinadas na legislação.

Assegura ainda a justificativa que a alteração proposta encontra-se totalmente convergente com o princípio da função social da propriedade, haja vista que sem os limites apresentados o beneficiário poderá receber o imóvel e não dar a destinação almejada e, consequentemente, não gerar emprego e renda na municipalidade, dentre outras vantagens na comunidade.

A proposição chegou a receber pedido de vista de um vereador, para ser analisada, mas minutos depois o pedido foi retirado, e o projeto recolocado em pauta e aprovado pelos vereadores.

Reportagem: Waldyr Silva / Revisão: Josiane Quintino

Publicidade

Veja
Também