Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Campanha de conscientização alerta comerciantes sobre pratica ilícita no Pará

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Estado registra R$ 117 milhões de evasão fiscal com o mercado ilegal de cigarros

Em tempos de discussões acirradas sobre ética na política, o Instituto Brasileiro de Ética Concorrencial (ETCO) realiza campanha na região Norte do país para conscientizar donos de mercados, padarias e bares sobre as consequências de vender cigarros com valor diferente do preço tabelado. Cerca de 3800 mil comerciantes serão impactados com o alerta sobre as punições para este crime, como multa de até R$ 5 mil por mês de descumprimento da Lei e prisão de até 5 anos.


A campanha reforça outra grave consequência da mudança dos valores do produto: o favorecimento do mercado ilegal, pois os consumidores passam a buscar opções mais baratas, abaixo do preço mínimo, provenientes do contrabando. Somente no ano passado, R$ 146 bilhões deixaram de ser arrecadados pelos cofres públicos do nosso país, em setores como tabaco, vestuário e combustível.

Para ter uma ideia do tamanho do problema, nos últimos três anos, o Pará apresentou tanto um aumento no volume e na participação quanto na evasão fiscal. A participação do mercado ilegal de cigarros aumentou de 60% para 66%. Durante o mesmo período, o volume apresentou um crescimento de 6% (passando de 662 milhões para 699 milhões de unidades de cigarros) e o rombo na arrecadação subiu 25% – saindo de R$ 93 milhões e chegando aos R$ 117 milhões na arrecadação em 2017.

O maior volume de contrabando de cigarro vem do Suriname por via fluvial; de eletrônicos, pelo canal do Panamá; e de cocaína, procedente da Bolívia, do Peru e da Colômbia, entrando pelo rio Amazonas.

As principais cidades afetadas por este fluxo são: Redenção; Santarém; Marabá, Belém e Jacareacanga. Por via terrestre são utilizadas as rodovias BR-163; BR-320; BR-153; BR- 010; BR-210; e BR-230. (Fonte: Rotas do Crime – Encruzilhadas do Contrabando – IDESF).

CASE PARAIBA E PIAUÍ

Em dois estados da região, Paraíba e Piauí, os governos locais aumentaram o ICMS incidente no cigarro no intuito de ampliar a arrecadação, mas os efeitos foram contrários aos esperados – o que levou inclusive à revisão da medida e das alíquotas.

Na Paraíba, o aumento deste tributo foi de 27%, em 2015, para 37%, em 2016, e a arrecadação caiu 56%. O mercado ilegal cresceu 26%, passando de 701 milhões para 883 milhões de unidades de cigarros.

Diante dos prejuízos para os cofres públicos e para toda a sociedade, em janeiro de 2017, o Estado voltou atrás e reduziu a alíquota de 37% para 31%. Com isso, a arrecadação manteve-se estável.

Já no Piauí, o estado aumentou o ICMS de 29% para 35% em fevereiro deste ano. E já se notam as consequências negativas: a arrecadação está caindo 10%.

Publicidade

Veja
Também