Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Caso Marielle: MP diz que porteiro mentiu ao citar Bolsonaro

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

(Pequim – China, 25/10/2019) Presidente da República, Jair Bolsonaro, fala com a imprensa após o café da manhã. Foto: Isac Nóbrega/PR

O Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) afirmou, nesta quarta-feira (30/10/2019), que o depoimento do porteiro do condomínio do presidente Jair Bolsonaro – sobre a liberação da entrada do ex-policial militar Élcio Queiroz, acusado de envolvimento no assassinato da vereadora Marielle Franco (PSol-RJ) – não é compatível com a gravação da chamada feita pelo interfone da portaria.

Segundo o MP, o áudio mostra que quem autorizou a entrada de Élcio foi o sargento aposentado da Polícia Militar Ronnie Lessa. A reportagem divulgada pelo Jornal Nacional, da TV Globo, diz que o porteiro citou a casa de Bolsonaro como “sendo o destino desejado pelo PM”. Contudo, a promotora do caso rechaça a possibilidade.


A promotoria afirma que a investigação teve acesso à planilha do condomínio e lá consta que Élcio pediu para ir à casa 65, que corresponde ao endereço de Lessa.

Em um primeiro momento, a promotora Simone Sibilio, responsável pelo caso, chegou a afirmar que o porteiro havia mentido. “[O porteiro] Mentiu. As testemunhas prestam depoimento, e o MP checa. Nada passa sem ser checado”, disse. Ao retomar o assunto, Sibilio evita afirmar novamente que o porteiro mentiu: “A prova técnica juntada aos autos mostra que no dia 14 de março de 2018, às 17h07, quem autoriza a entrada de Élcio Queiroz no condomínio é Ronnie Lessa”.

Publicidade

Veja
Também