Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Casos de mortalidade materna têm redução de 24% no Pará

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Para Hélio Franco, coordenador do Comitê, vários fatores implicam nesta questão, entre eles, os sociais, os políticos e, principalmente, os geográficos. “Muitas mulheres não levam o pré-natal a sério ou então encontram dificuldades de acesso e burocracias na hora do atendimento básico”, pontua o coordenador. A maioria dos óbitos acontece na faixa etária entre 20 e 29 anos.

Desde 2012, o Comitê Estadual de Prevenção à Morte Materna vem realizando o Fórum Perinatal da Região Metropolitana de Belém. O evento serve de espaço para a discussão de assuntos que envolvem a mortalidade materna. Todas as secretarias de saúde, os conselhos municipais de saúde, o Ministério da Saúde e as maternidades (privadas e públicas) se reúnem, pelo menos uma vez ao mês, para apresentar programas de conscientização e os resultados do Comitê de Vigilância do Óbito.


O principal objetivo deste trabalho é investigar os motivos destas mortes e buscar soluções para diminuir estas estatísticas. Há uma cobrança do estado em relação aos municípios quanto ao registro correto dos obituários, pois é desta forma que se consegue planejar ações em cima de dados concretos e motivos reais. “A mortalidade materna deve ser vista como um problema social também. Ao perder a mãe, as crianças órfãs ficam mais vulneráveis à sociedade, ficam mais expostas ao abandono dos estudos, da família”, acredita Franco.

Prevenção

O pré-natal é a parte mais importante de uma gravidez. É através dele que a mulher tem o acompanhamento correto da sua gestação. Os exames oferecidos nesta etapa ajudam a prevenir e cuidar de doenças, aparentemente simples, mas que podem matar. Durante as consultas, os médicos verificam a pressão, índices de infecção, possíveis anormalidades nas crianças, problemas cardíacos, dentre outros fatores.

No Brasil, a principal causa de morte materna está ligada à falta de cuidado com a mulher no pós-parto, havendo inúmeros registros de hemorragias. Já no Pará, é a infecção que mais mata gestantes, tanto no pré quanto no pós-natal. “Poucas mulheres sabem, mas é preciso continuar o acompanhamento médico, pelo menos até os 40 dias após o nascimento da criança. Esta fase também é crítica e pode trazer muitas complicações. É preciso fazer a chamada revisão puerperal”, explica a médica obstetra da Santa Casa, Belinete Cruz Fontes.

O acompanhamento pré-natal deve começar a partir do momento em que a mulher descobre a gravidez, mesmo que isso aconteça com a gestação já bastante desenvolvida. De acordo com Hélio Franco, 95% dos óbitos maternos são evitáveis, pois para realizar o pré-natal não é necessária muita tecnologia. “Basta uma balança, um aparelho de ultrassom, um aparelho de pressão”, explica.

Experiente no quesito maternidade, a dona de casa Layse Miranda, 22 anos, está à espera do seu quarto filho. Aos sete meses de gravidez, ela garante que vai, desde os três meses, para as consultas do pré-natal todos os meses. “Se a gente não for, a gente corre um risco muito grande, não só a mãe, como o filho também”, opina.

Joelza Fernandes, 19 anos, já está na contagem regressiva para a chegada do primeiro filho. Com nove meses e dez dias, ela diz estar bem segura para este grande momento. “Estou feliz em ver que está tudo bem e que o bebê pode chegar tranquilo”, comemora.

Reportagem: Bianca Teixeira

Publicidade

Veja
Também