Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

CENSO DEMOGRÁFICO 2022: IBGE divulga dados sobre endereços no Pará

O IBGE divulga mais um bloco de dados do Censo 2022: Coordenadas Geográficas dos Endereços. No Pará, o Censo 2022 revelou a existência de 3.053.493 domicílios particulares; 5.423 domicílios coletivos; 201.850 estabelecimentos agropecuários; 14.150 estabelecimentos de ensino; 6.406 estabelecimentos de saúde; 439.526 estabelecimentos com outras finalidades; 152.564 edificações em construção; e 37.758 estabelecimentos religiosos. O Pará é 5ª estado brasileiro com maiores quantidades de estabelecimentos religiosos e 6º quanto aos estabelecimentos de ensino e agropecuários.

O Censo 2022 revelou que o Brasil tem 90.600.065 domicílios particulares; 104.517 domicílios coletivos; 4.058.385 estabelecimentos agropecuários; 264.445 estabelecimentos de ensino; 247.510 estabelecimentos de saúde; 11.706.713 estabelecimentos usados para outras finalidades; 3.541.442 edificações em construção; e 579.798 estabelecimentos religiosos.

O Pará aparece em 5º lugar no ranking dos estados com maiores quantidades de estabelecimentos religiosos, atrás de São Paulo (83.938 estabelecimentos), Minas Gerais (59.281 estabelecimentos), Rio de Janeiro (55.222 estabelecimentos) e Bahia (52.939 estabelecimentos).

O Pará é o 6º estado do Brasil em quantidade de estabelecimentos de ensino, bem como os estabelecimentos agropecuários. Na quantidade de estabelecimentos de ensino, estão acima do Pará os estados de São Paulo (40.746 estabelecimentos), Bahia (28.315 estabelecimentos), Minas Gerais (24.184 estabelecimentos), Rio de Janeiro (16.499 estabelecimentos) e Maranhão (14.444 estabelecimentos). Na lista dos estabelecimentos agropecuários, estão acima do Pará os estados de Minas Gerais (615.688 estabelecimentos), Bahia (573.839 estabelecimentos), Rio Grande do Sul (347.724 estabelecimentos), Paraná (276.214 estabelecimentos) e Pernambuco (206.911 estabelecimentos).

O Pará é o 7º estado do Brasil em quantidades de domicílios coletivos e edificações em construção. Nos domicílios coletivos, estão à frente do Pará: São Paulo (18.316 domicílios), Minas Gerais (13.864 domicílios), Bahia (7.744 domicílios), Rio Grande do Sul (6.922 domicílios), Mato Grosso (6.462 domicílios) e Rio de Janeiro (5.684 domicílios). Já em relação às edificações em construção, o Pará perde apenas para São Paulo (605.209 edificações), Bahia (466.369 edificações), Minas Gerais (437.593 edificações), Rio de Janeiro (276.279 edificações), Pernambuco (193.443 edificações) e Paraná (152.740 edificações).

No ranking dos estabelecimentos para outras finalidades, o Pará está em 9ª colocação, abaixo de São Paulo (2.325.890 estabelecimentos), Minas Gerais (1.292.653 estabelecimentos), Bahia (1.032.896 estabelecimentos), Rio de Janeiro (835.701 estabelecimentos), Rio Grande do Sul (611.965 estabelecimentos), Paraná (609.960 estabelecimentos), Pernambuco (577.168 estabelecimentos) e Ceará (565.846 estabelecimentos).

No que se refere aos estabelecimentos de saúde, o Pará é a 11º estado em maior quantidade, ficando atrás de São Paulo (56.993 estabelecimentos), Minas Gerais (32.966 estabelecimentos), Paraná (16.498 estabelecimentos), Rio Grande do Sul (16.467 estabelecimentos), Bahia (16.347 estabelecimentos), Rio de Janeiro (15.402 estabelecimentos), Santa Catarina (10.447 estabelecimentos), Pernambuco (9.477 estabelecimentos), Ceará (8.388 estabelecimentos) e Goiás (7.872 estabelecimentos).

Por fim, o Pará também aparece em 11ª colocação na lista de maiores quantidades de domicílios particulares. Estão acima do Pará: São Paulo (19.623.160 domicílios), Minas Gerais (9.561.961 domicílios), Rio de Janeiro (7.709.779 domicílios), Bahia (6.868.847 domicílios), Rio Grande do Sul (5.321.610 domicílios), Paraná (5.024.225 domicílios), Pernambuco (4.092.295 domicílios), Ceará (3.822.632 domicílios), Santa Catarina (3.470.459 domicílios) e Goiás (3.207.511 domicílios).

Cadastro de endereços e seu uso prático

O Cadastro Nacional de Endereços para Fins Estatísticos (CNEFE) é instrumento mais detalhado que o IBGE dispõe para localizar a população no território brasileiro, condição básica para a coleta do Censo Demográfico, bem como de pesquisas amostrais realizadas pelo IBGE. Organizado desde 2005, o CNEFE é o maior repositório de endereços do Brasil. O cadastro, atualizado por meio das Coordenadas Geográficas dos Endereços, a cada Censo Demográfico, busca registrar todos os endereços das unidades construídas ou em construção, em cada setor censitário, por todo o território brasileiro.

Os dados ora divulgados podem servir para auxiliar pesquisas acadêmicas, estratégias empresariais e ações públicas nas três esferas de governo. Além disso, para planejar intervenções em áreas de risco de deslizamentos, enchentes, queimadas, secas e demais fenômenos ou incidentes socioambientais.

Outras potenciais aplicações referem-se à localização e contabilização de domicílios, estabelecimentos ou edificações em construção existentes em recortes territoriais previamente definidos, como áreas ou zonas de planejamento da administração pública; bacias hidrográficas; unidades de conservação ambiental; áreas de atuação de um determinado serviço ou negócio; áreas de risco de um determinado empreendimento, análise da densidade de uma determinada espécie em um dado recorte territorial.

Geocodificação e atualização do cadastro de endereços

A geocodificação é o processo que atribui a um determinado endereço uma localização geográfica por meio de um par de latitude e longitude associado a um sistema de coordenadas conhecido. Os componentes textuais, como logradouro e número de porta, são convertidos num ponto de coordenadas para ser utilizado em sistemas de informação geográfica e bancos de dados espaciais para fins de mapeamento e análise de endereços dos censos. Vale lembrar que geocodificação é feita em consonância à garantia da preservação do sigilo estatístico.

Para identificar uma localização precisa de um ponto sobre a superfície terrestre, o IBGE usa um sistema de coordenadas geográficas que permite a individualização de uma posição através da interseção entre eixos meridianos, linhas que cortam a Terra em sentido norte-sul, e paralelos, que cortam a Terra em sentido leste-oeste.

Com base na lista prévia de endereços carregada em seu Dispositivo Móvel de Coleta (DMC), coube aos recenseadores do Censo 2022 fazer a “varredura” de seu setor censitário para sua atualização. A captação de coordenadas geográficas para os endereços pelo recenseador estava prevista para ocorrer nas seguintes situações encontradas em campo: 1º) Confirmação ou inclusão do endereço; 2º) Retorno ao domicílio, sempre que o morador não era encontrado na primeira oportunidade; e 3º) Momento da realização da entrevista no domicílio.

A captação das coordenadas foi utilizada para o acompanhamento da evolução da cobertura territorial do trabalho dos recenseadores e para a gestão da coleta, inclusive para melhorar a cobertura da operação censitária. No Censo Demográfico 2022, os supervisores que coordenavam o trabalho dos recenseadores podiam visualizar a coleta sendo realizada em campo, acompanhando a localização de cada recenseador no momento da confirmação ou inclusão dos endereços no cadastro e, também, no momento da realização das entrevistas em cada domicílio, assim como o trajeto percorrido no setor censitário durante os dias de atividade.

As Coordenadas Geográficas dos Endereços estão disponíveis para download no portal do IBGE da internet. Os dados serão poderão ser visualizados em mapas interativos na Plataforma Geográfica Interativa- PGI (https://censo2022.ibge.gov.br/apps/pgi) e do Panorama (cidades.ibge.gov.br/brasil/panorama).

Qual sua reação para esta matéria?
+1
2
+1
0
+1
0
+1
1
+1
0
+1
1
Ei, Psiu! Já viu essas?

Deixe seu comentário