Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Centro de Controle de Zoonoses de Parauapebas não tem previsão para sair do papel

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

É bastante comum ver animais abandonados nas ruas de Parauapebas, principalmente cavalos, gatos e cachorros. O perigo é evidente para condutores de veículos, especialmente no período noturno em Parauapebas, ocasionando frequentemente acidentes.

Em busca de alimentos, os animais saem espalhando o lixo que encontram.
Em 2013 foi anunciado a construção de um Centro de Controle de Zoonoses (CCZ), dois anos depois o projeto ainda não saiu do papel, e o pior, nem tem previsão de quando vai sair.


O ex-diretor do Departamento de Vigilância em Saúde, Marcelo Monteiro, tentou justificar o atraso da obra alegando que o Conselho Municipal de Saúde exigiu uma readequação no projeto.

As carrocinhas que deveriam existir para fazer o recolhimento dos animais em condições de rua, castrá-los e encaminhar para adoção, funcionaria interligado ao CCZ, mas como ele ainda não existe, os animais permanecem sem tratamento nenhum e oferecendo riscos de transmissão de doenças.

O ex-diretor diz que seria irresponsabilidade castrar os animais sem o Centro de Controle de Zoonoses. “Não seríamos irresponsáveis de pegar esses animais sem normatização”, justifica.

O máximo que é feito para amenizar os casos de doenças de animais de ruas é uma campanha anual de vacina antirrábica. Em relação ao controle de natalidade dos animais não é feito sequer uma campanha de castração.

Em relação aos animais de grande porte, como, por exemplo, cavalos e jumentos, o ex-diretor esclarece que foi fechada uma parceria com a Secretaria Municipal de Urbanismo (SEMURB) para tirar os animais das ruas e campanha de educação para que os donos não deixem soltos. “Infelizmente, pela irresponsabilidade de alguns proprietários os animais ficam largados, principalmente animais idosos, mas quando os donos são identificados, recebem uma notificação e os animais são retirados e devolvidos após a assinatura de um termo de compromisso”, explica Marcelo Monteiro.

Ainda de acordo com Marcelo, as pessoas pegam os animais para cuidar quando são filhotes e depois quando os bichinhos envelhecem, são abandonados pelos donos. Já os animais de grande porte são abandonados quando não servem mais para trabalho pesado como transporte de cargas, por exemplo.
Com a falta de um Centro de Controle de Zoonoses, os animais abandonados se reproduzem rapidamente, já que não são castrados.

Reportagem: Stéfani Ribeiro – Da Redação do Portal Pebinha de Açúcar

Publicidade

Veja
Também