Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Chamonzinho sugere que Estado ajude municípios a conseguir medicamentos

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

É cada vez mais urgente a necessidade de que os medicamentos para o tratamento do novo coronavírus (covid-19) cheguem aos postos de saúde nas cidades do interior do Pará. É o alerta que faz o deputado estadual Wenderson Chamon (Chamonzinho), ainda preocupado com a escassez de remédios para a população em geral, até na rede particular. Em seu discurso desta semana na Assembleia Legislativa, ele sugeriu que o Governo do Estado use a experiência vivida no combate à doença nos últimos meses, para auxiliar os Municípios na obtenção.

“Estou muito preocupado, pois tenho conversado com prefeitos, e tenho assistido a dificuldade de encontrar medicamentos para a compra em quantidade. Ontem eu liguei para uma farmácia de manipulação para tentar encontrar a hidroxicloroquina manipulada. Azitromicina já não se encontra. As farmácias não têm nem um e nem o outro”, destaca Chamonzinho.


O deputado diz, ainda, que os prefeitos do sul e sudeste do Pará têm lhe pedido ajuda para encontrar quem forneça os medicamentos em quantidade para as prefeituras.

“Precisa ser criada uma força tarefa do governo do Estado com os municípios paraenses, tendo o secretário estadual, junto com os secretários municipais, para essa solução. Eu tenho reiterado, que se não houver o medicamento aqui na ponta, essa epidemia que já está alarmante na capital, também seguirá se alastrando e se intensificando no interior do Pará”, assevera.

A esperança do deputado é que o governo, com o seu conhecimento dos melhores caminhos e relacionamento com os grandes fornecedores, crie o melhor caminho e condições favoráveis para que as prefeituras consigam a compra dos remédios.

Chamonzinho destaca o aumento de casos em Parauapebas, Marabá e até em Curionópolis, sem que exista o acesso aos medicamentos na mesma proporção.

“Não podemos esperar mais. Temos de tomar atitudes emergenciais para que o pico da doença não chegue aqui com a mesma intensidade que em Belém, pois não teremos condição de atender a tanta gente”, defende, o deputado. Ele disse acreditar que todos os prefeitos estão atentos e querem, sim, fazer a sua parte, pois sabem da gravidade do momento, mas que precisam desse apoio.

Publicidade

Veja
Também