Círio de Nazaré reúne multidão pelas ruas de Parauapebas

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Cinquenta mil devotos participaram do 15° Círio de Nossa Senhora de Nazaré em Parauapebas, na noite de sábado (26). O número é uma estimativa do Corpo de Bombeiros repassada à reportagem pouco antes da realização da Missa Campal que encerrou a festa católica. Agendada para 18 horas, a romaria partiu da Paróquia São Francisco, no Bairro Rio Verde, com apenas 15 minutos de atraso.

De lá, já ao anoitecer, mas iluminada na berlinda, a imagem seguiu em direção à comunidade Nossa Senhora de Nazaré, no Bairro Parque dos Carajás, rodeada pelos romeiros, muitos na corda e carregando velas acesas, criando belo efeito em contraste com o escuro da noite. Como é tradicional na homenagem à Nossa Senhora, muitos fiéis pagaram promessas durante a procissão. Maria Regiane Nascimento de Souza, de 28 anos, carregava uma casa em miniatura, segundo ela, em agradecimento à construção da moradia que está finalizando junto do marido.


“Conquistei a graça de conseguir uma casa, ela me concedeu, deu certinho de estar terminando no Círio”, comemorou. Ela se mudou para Parauapebas em 2012 e desde então não perde a celebração, afirmando já ter sido agraciada anteriormente. “A primeira graça foi nosso casamento e agora conseguimos a nossa casa, tenho promessas de mais anos”, confessou, adiantando que faria mais uma neste sábado e acreditando que em 2020 poderá dividir a conquista com a reportagem.

Outras pessoas cumprem as promessas ajudando os romeiros que encaram quase sete quilômetros de procissão. No Círio do ano passado a contadora Zana Andreia Barros, de 26 anos, fez uma promessa relacionada à vida profissional. Graça recebida, retornou ao mesmo ponto onde fez o pedido para distribuir água aos demais devotos que participam da caminhada. “Era uma realização profissional e alcancei. Na época não tinha sinal, fiz a promessa e no decorrer do ano foi acontecendo e nesse início do ano havia se realizado”, relata. A distribuição de água, inclusive, é um ritual também tradicional do Círio de Nazaré e, assim como em anos anteriores, diversas pessoas cumpriram a tarefa em vários pontos.

Pelo menos 60 jovens com idades entre 17 e 30 anos, membros do Segue-me ligado à Paróquia São Sebastião, atuaram na distribuição, por exemplo. “Ao longo do Círio fomos convidados pela coordenação e há 11 anos o movimento se encontra e participa”, explica o bancário Rodolfo Leitão, de 34 anos. Conforme ele, o Círio une os devotos em homenagem. “É o servir desses jovens, dedicando o momento deles em prol do outro irmão, que está caminhando nesse ato de fé”, explica.

 

Dividindo o espaço com os distribuidores de água estão os pontos de homenagens à Nazaré, com altares decorados e queimas de fogos ao passar da berlinda.

Maria de Lourdes Damasceno Alves, 57 anos e agente comunitária de saúde, diz ter compromisso anual com o Círio e neste ano auxiliou na decoração de um dos altares montados por uma papelaria da cidade. Devota, se emociona ao falar da Rainha da Amazônia. “Ela não é dona do milagre, mas ela é intercessora, é nossa mãe e merece todo o nosso respeito”. Neste ano, ela ainda preparou geladinhos para distribuir na procissão.

A caminhada finalizou por volta das 20h40, quando foi iniciada missa celebrada pelo padre Ademir Gramelik, atualmente vigário da Catedral de Marabá, Diocese à qual as igrejas católicas de Parauapebas são ligadas. Ele substituiu o bispo Dom Vital Corbelini, que está em viagem à Roma. A celebração foi totalmente voltada à Maria, mãe de Jesus, e terminou com mais uma queima de fogos, às 22h15.

Publicidade

veja também