Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Colonos denunciam garimpo ilegal na zona rural de Parauapebas

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Uma região onde os colonos não podem mais contar com a água do rio para irrigar a plantação ou para saciar a sede do gado e de outros animais. Assim estão os moradores e produtores das margens do “Rio Novo”, localizado a cerca de 3 km da Palmares II, em Parauapebas. Ali, de acordo com denúncias feitas ao radialista Elson Brito, da Arara Azul FM, a poluição das águas do rio está pondo fim na produção e eles chamam a atenção dos órgãos fiscalizadores ambientais em um pedido de socorro para salvar o que ainda resta.

Segundo as denúncias, os rios são prejudicados com a atividade ilegal garimpeira no Rio Novo, nas proximidades da Barra do Cedro e Lagoa Preta, pois perto dali, existe um garimpo ilegal que trabalha em busca de ouro e outros minérios, jogando nos rios a contaminação do mercúrio, além da atividade deixar as águas barrentas e impróprias para o consumo, seja bebida ou aplicada nas lavouras.


“A prática está ocorrendo dia e noite, 24 horas por dia, sem parar e não podemos fazer nada”, diz um morador que não quis se identificar por medo de enfrentar os que operam a ação criminosa, mas garante que, sem escolha, caso as autoridades não tomem providências, os colonos se organizarão para ir fazer parar, mesmo que a força, a operação do garimpo clandestino.

Mas, segundo Edmilson, um dos produtores da região, o rio está contaminado e corre apenas lama, impossibilitando a irrigação da lavoura e prejudicando até mesmo os animais que utilizam o rio para matar a sede e também a prática da pesca que está impossibilitada, aumentando ainda mais as dificuldades de sobrevivência das muitas famílias que dependem das águas desse rio. “Muitos colonos, estão a ponto de fazer justiça com as próprias mãos, queimando e destruindo esses motores e equipamentos utilizados para garimpar, caso os órgãos ambientais não proíbam e punam os culpados pela prática nas margens do rio”, afirma Edmilson, pedindo socorro à Secretaria de Meio Ambiente e Ministério Público.

Reportagem: Francesco Costa, com informações de Elson Brito

Publicidade

Veja
Também