Coluna do Lima Rodrigues – 10 de dezembro de 2021

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

O produtor Paulo Henrique Peterle, de Água Doce (SC), vende maçãs para o Pará

Conexão Rural rastreia a origem de alguns  produtos consumidos no Pará

Você sabe de onde vem o produto que você consome? Você sabe onde e como foi plantado o tomate que você adquire no supermercado? Você sabe de onde vem a cebola, maçã, a batata e o tomate que você compra para sua família?


Para responder estas e outras perguntas, em comemoração aos 10 anos de existência (18 de dezembro), o Conexão Rural está produzindo uma série de reportagens especiais que serão veiculadas no programa em dezembro deste ano e ao longo do ano de 2022. A série de reportagens mostrará a origem de produtos (frutas e verduras) consumidos no Pará.

Segundo ele, ano que vem o Conexão Rural visitará a região de Petrolina, em Pernambuco, onde são produzidas a maioria das frutas consumidas em Parauapebas, além da produção e colheita de maçã, pêssego e ameixa em Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Este projeto, que faz parte das comemorações dos 10 anos do Conexão Rural, só está sendo possível graças à parceria que temos com o Atacadão Macre, que tem lojas em Parauapebas, Canaã dos Carajás, Xinguara e Redenção. Agradeço ao empresário Júnior Boeri, diretor do Atacadão Macre, por acreditar na potencialidade e na credibilidade do Conexão Rural, a voz do campo na TV.

1.370km

Nesta primeira viagem, para fazer as reportagens sobre a produção de maça, cebola, batata e tomate, a equipe do Conexão Rural saiu de Parauapebas de carro até Marabá (165km), embarcou em um avião para Belém, depois para Campinas (SP) e em seguida para Maringá (PR). De Maringá, como apoio do empresário Eder Demari e de seu sobrinho Paulo Otávio Tutis, a equipe percorreu de carro 1.370km, visitando sete municípios, seis no Paraná: Guarapuava, Palmas, São Mateus, Antônio Olinto e Reserva, e um em Santa Catarina: Água Doce. Reserva é dos maiores produtores de tomate do Paraná.

Cebola

Iniciamos no sábado (4) em Guarapuava (PR) a série de reportagens sobre a origem de produtos (verduras e frutas) vendidos no Pará, especialmente em Parauapebas, Canaã dos Carajás, Xinguara e Redenção. Começamos mostrando a produção de cebola do empresário Matheus Wolbert, do Grupo W3, que atua em diversos setores do agro, incluindo a pecuária em Roraima. Mostramos todo o processo de limpeza, seleção e embalagem da cebola produzida pelo Grupo e vendida para o Pará. “Além do Pará, temos clientes também em Imperatriz, no Maranhão”, disse ele.

Lima Rodrigues entrevistou o empresário Matheus Wolbert, do Grupo W3, de Guarapuava (PA), que produz cebola e vende para o Pará e o Maranhão

 

Água Doce

No domingo (5), prosseguimos o trabalho em Água Doce, Santa Catarina, na divisa com o município de Palmas, no Paraná. Lá, gravamos no Pomar Céu Azul com o produtor Paulo Henrique Peterle,  e com o filho dele, Paulo Otávio Tutis, sobre produção de maçãs Fugi e Gala vendidas e consumidas no Pará.

Antônio Olinto

Na segunda-feira (6) pela manhã, a nossa reportagem foi bem cedo à lavoura do produtor Marcelo Paulin, na Vila Espigãozinho, no município de Antônio Olinto, na divisa com o município de São Mateus, no Paraná. Lá, fizemos matéria sobre a colheita da batata.

Reserva

Na segunda-feira à tarde, no município de Reserva,  encerramos a primeira fase da série de reportagens especiais sobre  Rastreabilidade de Alimentos – Do campo à mesa. Visitamos o Sítio Águas Claras, do produtor Everaldo Bueno que planta 20 mil pés de tomate. Entrevistamos também o empresário Eder Demari, responsável pela logística e venda da maioria dos tomates enviados para o Pará.

O empresário Eder Demari, que também concedeu entrevista para o programa Conexão Rural, é o responsável pelo transporte de frutas e verduras para o Pará, direto de Reserva e Maringá, no Paraná

 

Conexão Rural – 10 anos

A série faz parte das comemorações dos 10 anos do Conexão Rural (18 de dezembro) e tem o patrocínio do Atacadão Macre, onde inteligente é comprar barato.

Programa Desenvolverdes é implantado em Paragominas, no Pará

Uma pequena fazenda a sete quilômetros de Paragominas, foi inspiração para o Projeto Desenvolverdes, que surgiu a partir de uma ideia do pecuarista pioneiro na região, Mauro Lúcio. Ele idealizou uma forma de promover o desenvolvimento de pequenos pecuaristas, e com o apoio da secretaria de Assistência Social e de outras secretarias da prefeitura municipal, incluindo as de Agricultura e do Meio Ambiente.

O objetivo do projeto é levar conhecimento e acompanhamento aos pequenos produtores rurais para que eles consigam produzir com qualidade, aproveitando bem suas propriedades, preservando o meio ambiente, mas sem esquecer de outros pilares de suas vidas: pessoal, familiar, espiritual, cognitivo, entre outros. A meta é acabar com o assistencialismo e transformar a pecuária dos pequenos produtores em lucratividade, aliado ao desenvolvimento social.

O projeto começou pela verificação dos resultados do produtor Wagner Targa, o Waguinho, que são satisfatórios, conforme ele mesmo explicou em entrevista ao programa Conexão Rural. “Minha vida mudou muito depois que passei a fazer parte do Projeto Desenvolverdes”, disse Vaguinho.

Questionário

O pecuarista Mauro Lúcio e a secretária de Assistência Social de Paragominas, Amanda Purger, informaram que inicialmente foram selecionadas dez famílias na Colônia Três Lagoas, após visita à região e o preenchimento de um questionário com 29 perguntas sobre o dia a dia deles e o que eles gostariam de

ter na propriedade para produzir mais e ter mais ganho e aumento de renda, mesmo tendo um rebanho reduzido e área considerada de pequeno porte.

Tailândia

Alguns dias após nossa visita à fazenda do Vaguinho, o pecuarista Mauro Lúcio; o prefeito de Paragominas, João Lucídio Paes; a secretária de Assistência Social, Amanda Purger;, o secretário de Agricultura, Renan Ohse, e o secretário de Meio Ambiente, Roberto Gambim, deram início à primeira fase do projeto, na Fazenda Marupiara, do pecuarista Mauro Lúcio, no município de Tailândia, também no Pará.

Lá, os produtores rurais ouviram palestras sobre pecuária, confinamento, piquetes e como obter produtividade com lucratividade, preservando o meio ambiente.

Sebrae

A secretária de Assistência Social, Amanda Purger, anunciou que “em breve os pecuaristas serão visitados para ser elaborado o Plano de Negócios, juntamente com muitos parceiros e voluntários, entre eles o SEBRAE”.

O prefeito João Lucídio Paes, disse que “a meta é beneficiar o maior número de pequenos produtores rurais de Paragominas, há muito tempo considerado o município Verde do Brasil”.

Destaques do Conexão Rural

O Projeto Desenvolverdes implantado em Paragominas e a primeira reportagem da série Rastreabilidade de Alimentos – do Campo à Mesa sobre a produção de cebola e maçã no Paraná e em Santa Catarina, além do lançamento da FAP Conhecimento,  que ocorrerá de 15 a 19 de dezembro em Parauapebas (PA) são os destaques do Conexão Rural do próximo fim de semana.

A FAP Conhecimento faz parte da programação da Feira de Agronegócios de Parauapebas, promovida pelo Sindicato Rural da cidade – Siproduz.

“A FAP Conhecimento, que acontecerá no Parque de Exposições Lázaro de Deus Vieira Neto, do dia 15 a 19 de dezembro de 2021, vem para potencializar, aproximar e valorizar o agronegócio e abrir as portas do crescimento através do conhecimento, aprendizado e investimento em pessoas. Nesse período, serão realizadas diversas palestras e oficinas que têm como o objetivo capacitar os pequenos e médios produtores, além da permanência dos grandes produtores já consolidados” destacou a presidente do Siproduz, Graziele Ribeiro, durante o lançamento da FAP Conhecimento dia 3 de dezembro no tatersal da Parque de Exposições Lázaro de Deus Vieira Neto em Parauapebas..

veja também