Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Coluna do Lima Rodrigues – 15 de abril de 2020

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

A UMA nasceu em Mineiros (GO) em uma iniciativa das irmãs Cristiane e Adriane e da mãe delas, Clélia Steinmetz

Exportações de carne e grãos contribuem para a economia do Brasil

Apesar dos pesadores, o agronegócio continua firme no país e segundo o equilíbrio da balança comercial, além de garantir o alimento na mesa do brasileiro.


Ao mesmo tempo em que garante o abastecimento interno durante a pandemia do Coronavírus, a agropecuária brasileira continua ganhando espaço no mercado internacional. O mês de março foi marcado pela abertura de novos mercados para os produtos nacionais e ampliação das vendas em outros locais.

O Egito, por exemplo, habilitou 42 estabelecimentos brasileiros para fornecimento de carnes, sendo 27 de frango e 15, de bovina, além da renovação da habilitação de 95 empresas, (82 de carne bovina e 13 de carne de frango). O governo egípcio também autorizou o início da importação de miúdos bovinos.

Já a Indonésia acertou com o governo brasileiro uma cota extra de importação de 20 mil toneladas de carne bovina, o que aponta ampliação da participação brasileira, já que a Austrália é o principal fornecedor de carnes para os indonésios. O Kuwait abriu seu mercado para a carne bovina brasileira.

A China atualizou a lista de estabelecimentos autorizados a vender pescado para o país asiático, o que não ocorria desde 2015. Agora, 108 estão habilitados.

Para a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, diante do atual cenário, algumas medidas sanitárias, que muitas vezes tornam os processos mais demorados ou eram usadas até como barreiras comerciais, “estão sendo deixadas para trás”.

US$ 21,39 bilhões

Segundo o ministério da Agricultura, no primeiro trimestre de 2020, as exportações brasileiras do agronegócio somaram US$ 21,39 bilhões. A participação do setor agropecuário no total das exportações brasileiras foi de 43,2%, superior aos 42% registrados em 2019. Alguns produtos apresentaram crescimento significativo: soja, carnes, algodão, amendoim, uvas e sucos.

E a Associação Brasileira de Frigoríficos informa que houve aumento na exportação de carne brasileira no primeiro trimestre ano, em comparação com o período do ano passado.

No primeiro trimestre de 2019, foram exportadas 406 mil 727 toneladas, gerando US$ 1,5 bilhão em receita. Já no primeiro trimestre de 2020 as exportações de carne bovina chegaram a 414 mil 527 toneladas, com um faturamento de US$ 1,83 bilhão em receita, ou seja, aumento 22 %.

Os frigoríficos da região norte também exportaram mais no primeiro trimestre deste ano, em comparação com o mesmo período do ano passado, isto é, de 73.811 toneladas, com receita de US$ 234,6 milhões para 88.202 toneladas no primeiro trimestre de 2020, obtendo receita de US$ 362,2 milhões, isto, 54% de aumento.

 União das Mulheres do Agro –  UMA

Em época de quarentena, o uso de novas tecnologias tem crescido ainda mais no mundo. Por isso, dia 9 de abril foi lançada virtualmente uma grande rede de fortalecimento e capacitação de mulheres que atuam no agronegócio em todo o Brasil: a União das Mulheres do Agro – UMA, que vai integrar mulheres de diversas funções ligadas ao agronegócio, antes e depois da porteira.

Por meio do site www.umaportodas.com.br, que já está no ar, as mulheres têm acesso a palestras, cursos, conteúdos de capacitação, notícias e interação, proporcionando um espalho amplo para networking e desenvolvimento pessoal e profissional.

A iniciativa da UMA nasceu em Mineiros, no estado de Goiás, pelas irmãs Cristiane Steinmetz e Adriane Steinmetz, com a mãe, Clélia Steinmetz.

Juntas, elas se completam na administração da Fazenda Boa Vista, que produz soja e milho no município goiano.

A iniciativa da UMA nasceu em Mineiros, no Estado de Goiás, pelas irmãs Cristiane Steinmetz e Adriane Steinmetz, com a mãe, Clélia Steinmetz. Juntas, elas se completam na administração da Fazenda Boa Vista, que produz soja e milho no município. Elas também mantêm o grupo virtual “Mulheres do Agro de Mineiros”, com a participação de mais de 200 mulheres que compartilham conhecimentos, troca da experiências e realizam eventos presenciais periodicamente.

Formada em Jornalismo, Adriane é coach especializada em agro e espera compartilhar seus conhecimentos através da UMA. “É um projeto pessoal nosso, que queremos estender para mulheres de todo o Brasil. Estamos trazendo uma proposta que, com certeza, vai possibilitar a inserção das mulheres nessa rede de prosperidade, empreendedorismo e muita união”, explica Adriane.

Já Cristiane é formada em Direito e, desde cedo, precisou lidar com funções importantes dentro da Fazenda, incluindo negociação com fornecedores, gestão e outras atividades administrativas e burocráticas. “Nós, mulheres do agro, queremos aprender, ensinar, agregar, atualizar e tornar o nosso agronegócio mais forte”, afirma.

Para fazer parte da UMA, não haverá custo de inscrição nem mensalidade.  O site e o Instagram já estão ativos: www.umaportodas.com.br e @rede_umaportodas.

(Com informações da jornalista Lilian Munhoz, de São Paulo).

Frigol e as medidas de proteção à saúde e à segurança das pessoas

A Frigol S.A. com mais de 3,5 mil colaboradores, mantém as plantas em operação devido ao compromisso e responsabilidade dos funcionários, engajados no movimento de manter o abastecimento regular de alimentos para atender às necessidades da população brasileira e cumprir os contratos de exportação para mais de 60 países. A empresa conta hoje com cinco frigoríficos no país: dois em São Paulo, um em Goiás e dois no Pará: São Félix do Xingu e Água Azul do Norte (Entre Xinguara e Ourilândia).

“Este é o momento de agradecer o comprometimento dos funcionários da Frigol. É muito bom contar com todos para cumprir a nossa parte e vencer esse desafio de âmbito global. Muito obrigado a todos, que entenderam as dificuldades e cumprem o seu dever com o profissionalismo de sempre. Agradecemos também às pessoas que estão em home office e as que fazem parte do grupo de risco, que igualmente cumprem suas funções em suas residências”, disse o Diretor de Operações da Frigol, Orlando Negrão.

Os funcionários têm a temperatura aferida quando chegam às unidades da Frigol

 

Fornecimento de carne

A Frigol também faz a sua parte nessa corrente do bem. A empresa tomou uma série de iniciativas de proteção e segurança dos seus funcionários e intensificou práticas de saúde e de ajuda à equipe, que incluem o fornecimento de carne – já pela terceira semana seguida. Além disso, a empresa doou cinco monitores para o Hospital Piedade.

A preocupação da Frigol com os funcionários começou imediatamente após a recomendação da Organização Mundial da Saúde e do Ministério da Saúde para atenção à proteção e à saúde das pessoas.

Todos os funcionários que chegam de viagem são encaminhados para quarentena de 14 dias em casa. Da mesma forma, foram afastados por tempo indeterminado os colaboradores do grupo de risco – mais de 60 anos, com diabetes, problemas cardíacos, gestantes e problemas respiratórios. (Com informações da Texto Comunicação – SP).

Cuide-se

Fique em casa e só saia em caso de extrema necessidade. Lave bem as mãos com água, sabão e sabonete e use álcool em gel. Evite aglomerações.

 

 

Publicidade

Veja
Também