Com 27 mil seguidores, influencer de Marabá está entre 7 presos acusados de matar vendedor de joias

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Gabryella Bogéa, 23 anos, faz muito sucesso na internet com seus mais de 27 mil seguidores/ Foto: Redes Sociais

Com grande repercussão da notícia com a foto dos sete acusados no envolvimento do assassinato do vendedor de joias, Edilson Pereira de Sousa, não se fala em outra coisa em Marabá.

O crime bárbaro que causou grande comoção e indignação na época, pela forma cruel com que a vítima foi morta, agora causa uma enorme surpresa por conta dos supostos envolvidos: quatro membros de uma família tradicional de Marabá estão sendo acusados de participação no crime de homicídio triplamente qualificado, ocultação de cadáver e subtração de bens da vítima.


Dentre os familiares, duas delas chamaram bastante atenção: avó e neta.

Gabryella Ferreira Bogéa, uma jovem de 23 anos, faz muito sucesso na internet, com seus mais de 27 mil seguidores e também por vídeos sensuais que circulam em grupos de Whatsapp há alguns anos. Com fotos bem produzidas e compartilhando sua rotina, no começo deste ano Gaby abriu uma conta no Instagram para divulgar sua loja virtual. No ramo do empreendedorismo, ela aproveitou sua visibilidade e passou a utilizar a internet para comercializar roupas, semijoias, perfumes e celulares.

A outra pessoa que chamou bastante atenção é a avó materna de Gabryella. Maria da Paz Silva Ferreira, a popular Da Paz, que tem 69 anos e é muito conhecida na cidade. Ela é viúva do saudoso Antônio Ferreira, o Antônio Cabeludo, de quem herdou terrenos em área nobre de Marabá.

Da Paz, como é conhecida, é viúva do saudoso Antônio Ferreira, o Antônio Cabeludo

 

Entre os acusados e presos na Operação Golden, da Polícia Civil, estão Rafael Ferreira, irmão de Gabryella; Ainotna Ferreira, conhecida como Tyna, mãe de Gabryella e filha de Maria da Paz e Alanna Camilla, ex-mulher de Rafael. Também foram presos Bruno Glender e Matheus Mendes, que parecem não ter parentesco com a família. Bruno, aliás, estaria morando com Gaby.

O Correio de Carajás entrou em contato com o delegado Thiago Carneiro, superintendente da Polícia Civil, que informou que a investigação ainda não acabou e o inquérito ainda não foi concluído.

Defesa

A reportagem tentou identificar os advogados dos suspeitos, mas só conseguiu de Maria da Paz. A reportagem conversou com Odilon Vieira e Diego Adriano, advogados que representam Da Paz. Eles afirmam já ter solicitado o acesso aos autos, mas até o momento o pedido não foi concedido. “A senhora Maria da Paz já prestou esclarecimentos anteriormente à Polícia Civil, negando qualquer participação no delito e sempre se colocou à disposição das autoridades responsáveis pela persecução penal”, finalizam os causídicos.

A Reportagem mantém espaço para os demais advogados para apresentarem defesa de seus clientes.

Entenda o caso

O corpo de Edilson Pereira de Sousa foi encontrado no dia 15 de abril de 2021, dois dias depois de ter desaparecido. A vítima estava as boiando às margens do Rio Itacaiunas, em Marabá.

O veículo de Edilson foi encontrado perto de uma fábrica de postes, na chamada “Rua do Lixão”, na Vila São José (Km 8 da Rodovia Transamazônica, sentido Marabá-Itupiranga).

Dentro do carro foram encontrados os documentos pessoais da vítima e 10 cheques cuja soma ultrapassa meio milhão de reais.

Na época, o Correio de Carajás conversou com um dos irmãos de Edilson que acompanhou todo o processo de remoção do cadáver, e ele informou que Edilson estava morando em Parauapebas e vinha sempre a Marabá. O restante da família residia em Conceição do Araguaia.

veja também