Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Comunidade não cede para Vale e libera apenas parte de obra do Ramal Ferroviário em Parauapebas

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Ocupada na sexta-feira, 24, uma área da construção do Ramal da Estrada de Ferro Carajás (REFC), ainda não foi totalmente retomada pela mineradora Vale.

A manifestação é feita pelos moradores do Projeto de Assentamento Santo Antônio, que alegam o não cumprimento de acordos firmados entre a Vale e a comunidade que é o pagamento de valores pela desocupação da área para a construção do REFC.


Ainda no sábado, 25, a Vale emitiu nota afirmando que a manifestação já havia terminado, mas nossa equipe de reportagem foi ao local na manhã de ontem, 27, e averiguou que os manifestantes continuavam no local e em reunião com a mineradora que após longa conversa definiu o início dos pagamentos às 32 famílias.

O ato iniciará no dia 5 de maio e deve atender pelo menos seis famílias por dia, se estendendo até o final do mês.
Mesmo assim a comunidade não cedeu totalmente para a mineradora, e os manifestantes detalham que “a obra foi liberada parcialmente, no trecho que compreende do Posto 32, na fazenda Juazeiro, ponte sobre o Rio Verde; sendo que o restante, próximo a ponte sobre do Rio Caboclo só poderá ser sequenciado após o término do pagamento à ultima família”.

Questionada sobre a manutenção da interdição a Vale enviou mais uma nota informando que, ontem, segunda-feira, 27, e nesta dá conta de que “Moradores do assentamento Santo Antônio voltaram a interditar as obras do Ramal Ferroviário na manhã desta segunda-feira (27). Após reunião entre representantes da empresa e dos moradores, na qual foi redefinida a programação de pagamento das indenizações, os manifestantes liberaram parte da área interditada. Outro canteiro permanece paralisado até que seja feito o primeiro pagamento.
A Vale esclarece que iniciou, no ano passado, de forma participativa com as famílias, Incra e Comissão Pastoral da Terra (CPT), o processo de negociação com moradores do assentamento Santo Antônio, que se encontravam em propriedade da empresa”.

Clique aqui para ver mais detalhes sobre a primeira manifestação feita pelos populares contra a multinacional Vale.

Reportagem e foto: Francesco Costa – Da Redação do Portal Pebinha de Açúcar

Publicidade

Veja
Também