Contagem regressiva para Francisca Ciza apresentar defesa na Câmara de Parauapebas

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Com a criação da subcomissão do CÓDIGO DE ÉTICA, composta por três vereadores, o cronômetro começa a marcar o tempo em que a vereadora Francisca Ciza, alvo de denúncia recente, permaneça na cadeira naquela Câmara Municipal, ou seja penalizada por improbidade administrativa.

O presidente da subcomissão é o vereador Horácio Martins, que diz que toda a denúncia será apurada e o relator deverá avaliar todos os fatos, tomar conhecimento e dar o parecer final. “Toda história tem duas versões. Iremos analisar cuidadosamente para fazer um trabalho com eficácia e transparência”, planeja Horácio Martins, dando cinco sessões ordinárias como prazo para a vereadora apresentar sua defesa, o que equivale a 40 dias, se levando em conta que as tais citadas sessões ocorrem uma vez por semana.


Sobre a denúncia

A vereadora Francisca Ciza foi eleita pelo Democratas e na Câmara de Parauapebas assumiu o lugar de segunda secretária na mesa diretora e passou a integrar o conselho de ética da casa; onde agora é denunciada pelo crime de improbidade administrativa e segundo o denunciante, ela recebia dois salários do município: Um como servidora da Câmara e outro como professora.

Quanto ao acúmulo das duas funções não representaria nenhum problema para Ciza, pois para isso, existe até uma Lei Municipal que a ampara, porém, a servidora precisa comprovar que é capaz de desempenhar a dupla função e assim poder receber legalmente do que tem por direito como vereadora, cerca de R$ 20 mil por mês, entre salário e gratificações; no entanto quando está prestando serviços ao legislativo não poderia estar em sala de aula.

A denúncia chegou às mãos do promotor de Justiça Hélio Rubens que diz entender como uma nítida divergência e contradição que aponta para existência de um crime e ato de improbidade administrativa, já que a servidora estaria recebendo sem prestar serviço para o poder púbico.

Sobre as denúncias, a vereadora afirmou que estar reunindo provas para apresentar sua defesa ao Conselho de Ética da Câmara Municipal de Parauapebas.

Reportagem: Francesco Costa / Da Redação do Portal Pebinha de Açúcar

Publicidade

veja também