Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Contratações temporárias de fim de ano despencam junto com as vendas

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Muitos desempregados esperaram o fim de ano, quando, principalmente lojas de produtos vendidos no varejo como, por exemplo, calçados, confecções e móveis, fazem contratações temporárias; no entanto, as esperadas oportunidades de fim de ano despencaram junto com as vendas, que a cada dia, são alvos de preocupação dos comerciantes de Parauapebas.

Foi o caso de Ângela Lopes, vendedora experiente, que amarga o desemprego. “No final do ano passado consegui uma colocação temporária e estava confiante de que poderia ser efetivada, mas logo após o natal, recebi como presente a dispensa”, lamenta Ângela, dando conta ter se esforçado ao máximo para ser efetivada, porém, com a atual realidade comercial que se encontra Parauapebas, os comerciantes não têm como fazer contratações.


Mas não são apenas pessoas de Parauapebas que disputam as oportunidades surgidas no comércio local; encontramos no Sistema Nacional de Emprego (SINE), diversas pessoas de municípios vizinhos que procuram aqui uma oportunidade. “Vivemos a ilusão de que Parauapebas não está como os demais municípios, mas quando chegamos aqui, nos deparamos com uma realidade semelhante ou pior, já que no SINE a disputa é maior, tendo em vista que o órgão atrai pessoas de outros lugares”, relatou Diogo Santana, que conta ter espalhado currículos em diversas empresas, mas, sem sucesso.

Aos empresários, o assédio por emprego é grande e muitos já nem recebem mais currículos. “A gente inicia recebendo por necessidade, depois por educação e por fim não adianta mais receber apenas para alimentar a ilusão dos desempregados”, conta o lojista Wagner Vieira, lamentando a situação em que se encontra o comércio. Segundo ele, sua loja já foi movimentada e contava com funcionários, mas aos poucos foi se tornando uma empresa familiar, pois, agora, apenas ele, a esposa e filhos trabalham no local. O lojista admite que se o ponto comercial não fosse próprio, já teria fechado as portas, já que o comércio não tem dado movimento suficiente para pagar aluguel.

Além das demissões e não contratações temporárias, diversas lojas vêm sendo fechadas a cada dia em Parauapebas; outras já anunciam seu fechamento. Quem antes vivia de faturamento imobiliário, locando pontos comerciais, sente na pele o impacto, pois além de baixar significativamente o preço dos aluguéis, começam agora a ter os pontos fechados.

A crise tem também barrado diversos sonhos de investimentos, fato claro em obras paradas em plena área comercial. O motivo é o reconhecimento do proprietário que ao concluir a obra não terá a quem locar. Os diversos pontos comerciais, antes disputados por quem queria abrir uma loja, estão fechados em espaços comerciais que um dia foram cobiçados, porém, hoje, com a decadência, até mesmo as tais áreas estão com pontos fechados.

Nossa equipe de reportagens fez uma busca por esses logradouros comerciais e registrou a dura realidade que enfrenta a cidade. Rua Sol Poente, nos bairros Rio Verde e Da Paz e Rua 14, no bairro União, foram alguns dos alvos de nossas observações. Em todos eles, notamos a pouca movimentação comercial e ainda os diversos pontos comerciais fechados e obras inacabadas.

 

Reportagem: Francesco Costa / Da Redação do Portal Pebinha de Açúcar

Publicidade

Veja
Também