Cooperativa de produtores de leite de Parauapebas recebe as chaves do Laticínio Estação

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

A Cooperativa dos Produtores de Leite e Derivados de Parauapebas (Cooapaig) recebeu as chaves do Laticínio Estação, na quarta-feira, 1°. O espaço conta com infraestrutura e equipamentos para produção de queijo e manteiga. A doação foi realizada pelo Núcleo de Desenvolvimento Humano e Econômico (NDHE) da Apa do Igarapé Gelado, composto por membros da Vale, Fundação Vale, Associação dos Produtores da Apa (Aproapa) e pela Associação Filhas da Terra, que geriram anteriormente a unidade.

Durante a cerimônia de entrega foi realizada a assinatura do contrato, que formalizou a doação. O evento contou com a presença de representantes da Prefeitura de Parauapebas, Secretaria Municipal de Produção Rural (Sempror), Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (Icmbio), órgão ambiental gestor da Apa, Vale e Fundação Vale.


“É um dia de festa, mas também um grande desafio. Foi todo um trabalho construído de base junto aos agricultores para fazer esse momento do repasse da gestão do laticínio. Com isso, temos um desafio dentro da secretaria, de pensar a produção da cadeia produtiva. Nós já temos a da fruticultura, e agora, com esse repasse do laticínio, também, estaremos trabalhando a cadeia produtiva do leite, desde a produção na propriedade, até a verticalização e comercialização”, afirmou Milton Zimmer, secretário de Produção Rural.

Após decisão coletiva do NDHE, a doação foi realizada, cumprindo o compromisso assumido na concepção do laticínio, de que a comunidade, por meio da cooperativa, seria a gestora do empreendimento para a retomada da produção da unidade fechada desde março de 2020, em virtude da pandemia.

A cooperativa conta hoje com 50 produtores associados. Por meio de contrato, a entidade recebe as estruturas do laticínio e da escola, seus respectivos bens e equipamentos, além de recursos financeiros na ordem de R$ 850 mil. A estrutura da escola permanecerá cedida em comodato para a prefeitura.

“É um desafio muito grande ficar à frente de uma cooperativa que está iniciando, mas com fé em Deus vamos dar o melhor para os nossos objetivos. Todo mundo junto. O momento agora é de união de todos os cooperados” disse João Paulo, presidente da Associação dos Produtores da Apa.

Segundo o gerente de território da Fundação Vale, Marcus Finco, a criação da cooperativa promove a chamada autogestão e, consequentemente, favorece a organização da cadeia produtiva do leite pelos próprios produtores.

“Um dos objetivos das iniciativas que apoiamos é estimular o empoderamento e a autonomia das comunidades participantes. O laticínio sendo liderado pela própria comunidade permitirá uma melhor estruturação da cadeia produtiva através, sobretudo, do envolvimento e participação ativa dos produtores na estratégia e tomadas de decisão”, pontua Marcus.

Na comunidade, são desenvolvidos hoje e permanecerão sendo executados projetos para geração de emprego e renda, como plantio por meio de sistemas agroflorestais, que aliam a produção agrícola com a conservação ambiental, projetos de incentivo à fruticultura e à produção leiteira.

veja também