Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Criação de comissão para investigar queda do ICMS tramitará em regime de urgência na Câmara de Parauapebas

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Foi aprovada na sessão da Câmara da última terça-feira (9) a tramitação, em regime de urgência, do Projeto de Resolução nº 2/2017, de autoria do vereador Ivanaldo Braz (PSDB), que prevê a criação de uma Comissão de Assuntos Relevantes para analisar a constante queda do repasse para Parauapebas da cota-parte do Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Serviços de Transporte Interestadual, Intermunicipal e de Comunicação (ICMS).

A tramitação em regime de urgência especial foi solicitada pelo autor do projeto, por meio do Requerimento nº 5/2017.


Justificativa

Ao justificar a pressa para que o projeto seja aprovado e a comissão instalada, Braz apresentou os índices da cota-parte do ICMS que o município recebeu nos últimos anos, ilustrando que o repasse a Parauapebas já chegou a ser de 20,12% e que atualmente o índice é de apenas 9.48%, mas o governo estadual pretende reduzir ainda mais, chegando a 6.46%.

O Governo do Estado está baixando isso por meio de decreto. Não sei até que ponto isso é legal. Temos que saber se é ou não. No ano passado ele ia baixar para 6.46%, mas fizemos uma comitiva com representantes da indústria, do comércio, da Câmara e da Prefeitura, fomos até Belém e conseguimos manter da forma que estava. Só que agora o governador quer novamente baixar para 6.46%, por decreto. Se ele fizer isso o nosso município vai fechar as portas, porque não temos condições. Belém vai sair ganhando e Parauapebas perdendo mais ainda. Então, temos que ter essa Comissão de Assuntos Relevantes para estudar essa redução e levar nossa voz, para que a gente consiga pelo menos manter o percentual atual”, explicou Ivanaldo Braz.

O vereador ressaltou ainda que, caso o ICMS para Parauapebas seja reduzido, o município não conseguirá nem pagar o funcionalismo.

Durante a apreciação do requerimento, o presidente da Câmara, Elias Ferreira (PSB), destacou ainda que o ICMS é a fonte de receita mais importante para o município.

Ao contrário do que a grande maioria da população pensa, nossa maior fonte de recursos financeiros não são os royalties da mineração, mas o repasse do ICMS por parte do governo estadual. Calculando as perdas dos últimos anos e a projeção para 2017, nossa perda beira os R$ 500 milhões. O município que mais contribui com o PIB estadual e a balança comercial nacional não pode ser tratado desta forma. Precisamos reunir esforços para evitar que isso aconteça”, defendeu Elias Ferreira.

Regime de urgência

De acordo com o Regimento Interno da Câmara Municipal, a urgência especial é a dispensa de exigências regimentais, salvo de quórum de votação e de pareceres, para que determinado projeto seja imediatamente apreciado, a fim de evitar grave prejuízo ou perda de sua oportunidade.

Os projetos submetidos a este regime devem ser apreciados dentro do prazo de 20 dias úteis, contados a partir do protocolo na Diretoria Legislativa.

Reportagem: Nayara Cristina

Publicidade

Veja
Também