CURIONÓPOLIS: Adonei Aguiar deixa dívida de quase R$ 30 milhões junto ao INSS

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Adonei Aguiar

De acordo com o apurado junto à Receita Federal, o rombo se aproxima de R$ 30 milhões e deverá ser descontado nos próximos 4 anos

“Faço questão de ser totalmente transparente, porque você, cidadão, precisa entender a grave situação que encontramos o município”, explicou Mariana Chamon, prefeita de Curionópolis, ao informar aos munícipes sobre a situação que está enfrentando nesses primeiros dias de sua gestão.


De acordo com a prefeita, ao fazer um levantamento da situação do município na Receita Federal, foi surpreendida com mais uma grave e lamentável situação deixada pela gestão anterior, uma dívida de quase R$ 30 milhões deixada pelo ex-prefeito Adonei Aguiar, valores que, segundo ela, foram descontados dos salários dos funcionários da prefeitura nos últimos 4 anos, e deveriam ser repassados ao Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS), mas isso não foi feito. Ou seja, o valor foi descontado dos servidores, mas o INSS não foi pago. “Na prática essas dívidas significam menos recursos para investimentos importantes na educação, na saúde, na assistência social e na infraestrutura”, detalha Mariana Chamon, garantindo aos cidadãos que, mesmo com tantas dificuldades e tantos problemas, seguirá firme trabalhando com seriedade para resgatar Curionópolis desta grave situação e colocar o município, mais uma vez, no rumo do desenvolvimento, melhorando a qualidade de vida da população.

Essa pode ser apenas uma das dívidas deixadas por Adonei Aguiar, totalizando R$ 29.776.331,64 (vinte e nove milhões, setecentos e setenta e seis mil, trezentos e trinta e um reais e sessenta e quatro centavos), valores que serão descontados mensalmente do orçamento do município, nos próximos quatro anos, que sentirá o desfalque de R$ 500.170,38 (quinhentos mil, cento e setenta reais e trinta e oito centavos) conforme negociação feita pelo próprio, agora, ex-prefeito, no dia 8 de dezembro de 2020. “O pagamento é obrigatório e, caso não seja feito fielmente, a prefeitura poderá ter as contas bloqueadas”, conta a prefeita Mariana Chamon.

veja também