Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

CURIOSIDADES: Confira as profissões que são mais bem pagas no Estado do Pará

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Três ocupações da área da mineração estão no ranking das profissões paraenses com carteira assinada mais bem pagas. As profissões de engenheiro de minas (média de R$ 8.587 para os cinco contratados no mês), engenheiro de minas com especificação em carteira para área de Projetos (R$ 7.694 para um novo empregado) e geólogo (média de R$ 6.988 para três admissões) estão entre as 25 carreiras celetistas com maiores salários.

Os dados inéditos foram levantados com exclusividade pela Associação Paraense de Engenheiros de Minas (Assopem) nesta segunda-feira (26) por meio do detalhamento ocupacional do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho (MTb).


Apesar da remuneração considerável, as funções da área da indústria mineral apresentam bastante rotatividade, e a série histórica do Caged mostra que nos últimos quatro anos os salários mais elevados do setor — frequentemente de engenheiros de minas e engenheiros mecânicos lotados na mineração — vêm sendo sacrificados. O mesmo acontece na construção civil. Há três anos, por exemplo, contratava-se engenheiro de minas da área de Projetos a peso de ouro: mais de R$ 15 mil, em média, em sucessivas divulgações do Caged. A única contratação de fevereiro deste ano aponta o salário pela metade.

FUTEBOL TAMBÉM NO TOPO

Profissionais do ramo do futebol no Pará foram contratados com contracheque mais gordo que a maioria dos engenheiros e médicos em regime celetista. Os treinadores, por exemplo, foram o segundo lance mais valioso na CLT mês passado, com média salarial de R$ 16.900, só atrás de um bem-aventurado gerente de projetos da área de Tecnologia da Informação, admitido por R$ 26.207 — maior salário desde a contratação de um engenheiro de minas em Altamira, ano passado, inclusive divulgado pela Assopem. O detalhe é que os treinadores estão em saldo positivo, enquanto os gerentes de TI amargam duas demissões para cada contratação nova.

Os jogadores de futebol são a oitava ocupação mais bem paga. Em fevereiro, a média salarial dos quatro que assinaram carteira foi de R$ 8.250, bem mais que a dos sete médicos clínicos contratados no mês, de R$ 6.767.

Vale ressaltar que, dentro de uma mesma ocupação com a partir de duas admissões no mês, os salários podem variar bastante. No caso dos engenheiros de minas, por exemplo, houve quem fosse contratado por pouco mais de R$ 7 mil, assim como um por muito mais de R$ 10 mil em fevereiro.

Confira o ranking elaborado pela Assopem:

Fonte: Assopem

Publicidade

Veja
Também