Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

DADOS DE MAIO: Queda nas exportações vão derrubar PIB de Parauapebas no médio prazo

Foram divulgados este fim de semana, pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, os números de exportação dos municípios brasileiros referentes ao mês de maio, e a situação está tão crítica na conjuntura macroeconômica de Parauapebas que o período apresentou o menor valor exportado de minérios, em dólares, dos últimos quatro anos: 228,8 milhões. Em maio do ano passado, a título de comparação, foram exportados 721,5 milhões de dólares, ou seja, mais que o triplo do mês passado.

Após dois anos ocupando o primeiro lugar como maior exportador do país, a Capital do Minério tombou em 2015 para a quarta colocação, atrás dos gigantes São Paulo e Rio de Janeiro, as duas maiores cidades da América do Sul, e Angra dos Reis, importante cidade portuária brasileira localizada no litoral fluminense.

Considerando-se apenas o superávit, que é o saldo positivo na balança, Parauapebas ainda se mantém no topo. Mas isso se explica: o Brasil está em crise, e os grandes municípios exportadores – à exceção de Parauapebas e alguns outros gatos pingados – têm importado commodities numa proporção maior que a capacidade de vender ao exterior. Já a Capital do Minério tem importações mínimas por se tratar de um município pouco populoso e de base mineral, daí seu saldo comercial ser praticamente o mesmo da exportação.

De janeiro a maio deste ano, Parauapebas exportou 1,62 bilhão de dólares, menos da metade dos 3,64 bilhões de dólares do mesmo período de 2014. Se a situação não melhorar no segundo semestre deste ano, ou permanecer como está, a Capital do Minério pode rolar oito posições na balança comercial e encerrar 2015 com a realidade financeira de um Parauapebas de 2008, quando suas exportações foram de 3,84 bilhões de dólares. Na balança comercial, os municípios paulistas São José dos Campos, Santos e São Bernardo do Campo; os capixabas Vitória e Anchieta; o paranaense Paranaguá; o catarinense Itajaí; mais o gaúcho Porto Alegre podem tomar de Parauapebas, ainda este ano, o pouco de empáfia que ainda lhe resta por estar entre os líderes das exportações, condição que até em 2014 parecia fora de risco.

Reportagem especial: André Santos – Colaborador do Portal Pebinha de Açúcar

Foto: Arquivo

Qual sua reação para esta matéria?
+1
0
+1
0
+1
0
+1
0
+1
0
+1
0
Ei, Psiu! Já viu essas?

Deixe seu comentário