Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Deputado questiona fechamento de frigoríficos da JBS no Pará

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Saber o porquê do fechamento dos frigoríficos da empresa JBS, em Novo Repartimento e Eldorado do Carajás. Este foi o principal assunto da reunião desta terça-feira, 07, entre o deputado, Gesmar Costa e o secretário de Desenvolvimento Econômico, Mineração e Energia do Pará, Adnan Demachki.

Com o parlamentar estavam o presidente da Câmara de Itupiranga, Izaias Alves; os vereadores, Haroldo da Van, de Eldorado e Du Santos, de Tucumã e outras lideranças políticas.


O secretário explicou que a JBS fechou um acordo com o Governo do Estado, através do qual, receberia incentivos fiscais para fazer o beneficiamento do couro do gado. Mas, para ter a vantagem, a JBS teria que fazer todo o processamento no Pará e reabrir os os frigoríficos de Altamira, Novo Repartimento e Eldorado. “Em janeiro, alegaram dificuldade de reabertura, por conta da crise e, em março, o Governo cortou os incentivos fiscais. Estamos aguardando que a empresa cumpra o prometido para que voltem os incentivos”, explicou Demachki .

Projetos estratégicos – No encontro, o deputado e comitiva tomaram conhecimento dos detalhes técnicos do projeto de PPP (Parceria Público-Privada) da ferrovia paraense e do projeto de implantação de uma indústria siderúrgica na cidade de Marabá.

Adnan Demachki disse que cada passo é importante nos processos e tem articulado o esforço coletivo do Estado como contrapartida ao interesse das empresas privadas em construir e gerir o funcionamento dos citados empreendimentos. A empresa Cevital, gigante do agronegócio na Argélia, já possui uma siderúrgica na região da Toscana, na Itália, e tem buscado apoio até em Brasília para o projeto da siderúrgica em Marabá.

A ferrovia é o projeto de integração estadual que interliga o sul ao norte do Estado, possibilitando logística para escoamento da produção sobretudo das cadeias de grãos e minérios, cujo Estudo de Impacto Ambiental/Relatório de Impacto ao Meio Ambiente (EIA/RIMA), foi entregue no último mês de dezembro por Demachki à Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas).

 

Publicidade

Veja
Também