Deputados aprovam ritmo Brega como Patrimônio Cultural e Imaterial do Pará

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Os deputados aprovaram por unanimidade nesta terça (24) projeto de autoria da deputada Ana Cunha (PSDB) declarando o ritmo Brega como integrante do Patrimônio Cultural e Imaterial do estado do Pará, nas presenças da cantora Lucinha Bastos, do cantor Edilson Moreno, do músico e compositor Júnior Neves, e do professor, coreógrafo e dançarino Rolon Ho.

Ao final da coletiva, tanto Lucinha como o Moreno cantaram alguns sucessos do ritmo, hoje já consagrado.


Na mesma sessão foi aprovado também o Projeto de Lei que cria o Dia Estadual da Música Gospel, de autoria do deputado Raimundo Santos (Patriota).

O brega surgiu lado a lado com a Jovem Guarda com forte apelo popular, cujo teor das composições estaria relacionado a desilusões amorosas e questões relacionadas ao cotidiano.

Para a deputada Ana Cunha, o Brega passou de uma típica letra de “sofrência” para se tornar, hoje, uma marca, uma referência cultural do estado do Pará. “Reconhecer esta cultura é valorizar toda uma cadeia cultural onde temos compositores, músicos, cantores, guitarristas que fazem do brega um instrumento no seu dia a dia”, justificou.

Noutro sentido, a parlamentar afirma que reconhecer esta estrutura é valorizar a sua construção e denomina-la de paraense. Ela ressaltou ainda que o brega, enquanto cadeia artística, pode contribuir com o turismo no Estado. “Trazer de fora pessoas para estudar a musicalidade, para dançar o brega, para ir em uma academia e aprender como é o mexido e com isso proporcionar ao Estado uma melhor infraestrutura cultural e o reconhecimento dos músicos paraenses como produtores culturais”, considerou.

Já para o deputado Chicão (MDB), presidente do Poder Legislativo, a aprovação do projeto significou o reconhecimento do Poder Legislativo a um segmento da música paraense que ainda não tinha recebido este destaque, e no entendimento do parlamentar, o chefe do Executivo estadual deverá acolher está iniciativa.

“Não tenho dúvidas de que o governador Helder Barbalho ira sancionar a proposta e transformá-la em lei”, afiançou.

Para a cantora paraense Lucinha Bastos, a iniciativa da deputada Ana Cunha foi justa. “Porque quando você reconhece, você empondera e fortalece os vínculos culturais”, disse. De forma entusiasmada, a cantora diz que o brega transformou vidas, pela sua música e musicalidade, pela dança, pela sua história. É uma alegria levar e cantar o brega para as pessoas, porque levamos a história de uma maneira mais simples, fazendo com que as pessoas compreendam o que o autor quis passar”, disse.

“É um ritmo poderoso que alegra o coração, é um ritmo que temos domínio em toda a sua produção musical”, avaliou o cantor Edilson Moreno.

A deputada Cunha, em seu depoimento na tribuna, ressaltou o papel destacado do Estado no ritmo e como um grande celeiro deste gênero musical do cenário nacional atual, citando ainda Kim Marques, Nelsinho Rodrigues, Alípio Martins, Carlos Santos, Juca Medalha, Wanderley Andrade, Roberto Vilar, Banda Fruto Sensual, Banda Cheiro Verde, Marcelo Val, Alberto Moreno, Viviane Batidão.

Dia da Música Gospel será instituída no dia 05 de setembro

Foi aprovada a instituição do Dia Estadual da Música Gospel, que será comemorado no dia 05 de setembro, a data da Lei nº 8.360/2016 que declarou a música Gospel como bem de natureza imaterial, integrante do patrimônio Cultural Paraense.

“O gênero musical Gospel está muito difundido no território paraense, além de conter um permanente repertório das mais inspiradas músicas para a paz e o deleite da alma humana, da família e da sociedade, informou o deputado Santos.

Para ele, a música Gospel é o gênero cultural mais difundido internacionalmente por representar a manifestação dos afetos da alma relacionados à fraternidade, o romantismo, humanidade e sentimentos transcendentais.

A música gospel conquistou nos últimos anos tanta popularidade no Brasil que o Governo Federal a reconheceu como verdadeira manifestação cultural por meio da Lei nº 12.590, de 2011.

 

veja também