Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Desemprego leva a fechamento de rodovia em Parauapebas

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Um grupo de manifestantes foi recebido pela direção da empresa, que não quis falar com a Imprensa. Segundo o desempregado Ailton César Pereira Matos, que é pedreiro e está sem trabalhar há 1 ano e meio, a manifestação foi a única alternativa encontrada por eles para serem visto e recebidos pela mineradora.

A interdição da pista, feita com pneus e galhos de arvores, causou um enorme engarrafamento, já que a rodovia é a única via de acesso para diversas vilas, e ao centro de Parauapebas, para quem mora naquela área. Segundo Ailton, o que causou mais revolta entre eles foi que se espalhou a notícia de que a Vale estaria selecionando pessoas para contratar.


Muitos desempregados correram para a porta da empresa, mas depois de 2 horas de espera, foi afixado um aviso de que não havia vaga. Paralelo a isso, segundo Ailton, foram informados que várias pessoas teriam chegado de ônibus, vindo de Minas Gerais, contratados pela empresa. Revoltados, os manifestantes decidiram interditar a estrada. Eles atearam fogos em pneus, formando uma enorme cortina de fumaça.

Policiais militares estiveram no local, acompanhando o protesto e homens do Corpo de Bombeiros foram chamados para apagar o incêndio. Após mais de quatro horas de manifestação, a empresa recebeu uma comissão de manifestantes, acompanhada por representantes da mineradora Vale, para discutir a situação e definir se existe possibilidade de abrir vagas para os trabalhadores que moram em Parauapebas.

Depois disso, os manifestantes decidiram desbloquear a pista. Esta é a segunda vez este ano que desempregados interditam a Faruk Salmen, solicitando que as vagas abertas em projetos da Vale sejam destinadas à moradores de Parauapebas.

Reportagem: Tina Santos, com informações de Ronaldo Modesto

Publicidade

Veja
Também